Dylan Martinez/Reuters
Dylan Martinez/Reuters

Em carta, capitão da Austrália promete 'deixar tudo em campo' por classificação

Australianos enfrentam a seleção peruana na próxima terça-feira, pela última rodada da fase de grupos

Estadão Conteúdo

23 Junho 2018 | 18h54

A Austrália chega à última rodada da fase de classificação viva na luta por uma vaga às oitavas de final da Copa do Mundo. Com apenas um ponto, a seleção precisa vencer o Peru, em Sochi, na próxima terça-feira, e torcer por um triunfo da França sobre a Dinamarca, em Moscou, no mesmo dia. A tarefa não é fácil, mas o capitão Mile Jedinak prometeu o máximo de esforço na busca por este objetivo.

+ Auxiliar da Austrália na Copa, Van Bommel é anunciado como técnico do PSV

+ Técnico da Austrália considera injusto o empate com a Dinamarca: 'Merecíamos mais'

"Na terça-feira, nós precisamos de uma vitória contra o Peru e cruzar os dedos pelo outro jogo. Mas vocês podem ter certeza de que vamos deixar tudo em campo e acreditamos que será o suficiente para irmos à próxima fase. Esta seria a melhor forma possível para mostrar o apreço pelo seu apoio", comentou.

Jedinak divulgou uma carta aberta à torcida para prometer garra, mas também agradecer a festa realizada pelos australianos na Rússia. Mesmo longe de terem uma seleção de expressão no cenário mundial, os torcedores foram em peso acompanhar a Copa e têm se destacado.

"Não podemos agradecer o suficiente pelo incrível apoio que temos recebido na Copa. Temos um outro grande jogo pela frente na terça, e o apoio que temos sentido tem sido incrível de testemunhar e genuinamente nos alegrou. Sabemos da honra que temos ao representar nosso país para o mundo e o quão importante é fazê-los orgulhosos", escreveu.

 

O meio-campista ainda considerou a Copa uma oportunidade de unir ainda mais o país. "Em um evento assim, parece que a seleção une a Austrália e isso nos deixa incrivelmente orgulhosos. Ver o mar de amarelo nas arquibancadas em nossos dois jogos foi inspirador, parecia que estávamos jogando em casa. Foi realmente emocionante."

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.