Francisco Leong / AFP
Francisco Leong / AFP

Em carta, Iniesta se despede da seleção espanhola: 'Não foi uma decisão fácil'

Meio-campista elogia jogadores que permanecem e projeta grandes êxitos para o futebol espanhol no futuro

Estadão Conteúdo

03 Julho 2018 | 11h06

Depois de anunciar sua aposentadoria da seleção espanhola ao fim da participação na Copa do Mundo, o meia Andrés Iniesta escreveu nesta terça-feira uma carta de despedida. O jogador de 34 anos agradeceu pelos anos que vestiu as cores do país e garantiu que não foi fácil tomar a decisão.

+ Sergio Ramos indica que desaprovou demissão de técnico e garante Espanha forte

+ Após perder pênalti, Aspas se diz 'orgulhoso' por Copa com a Espanha

+ Desolado, Hierro lamenta eliminação: 'Tínhamos ilusão de irmos muito mais longe'

"Agora é o momento de dar um passo para o lado. Não foi uma decisão nada fácil, pelo contrário, estou pensando nisso há muitos meses. O desejo e a vontade de continuar são imensos, mas sempre disse que acabaria fazendo o melhor para a seleção", escreveu.

Trata-se de um momento de mudanças para Iniesta. Afinal, o jogador também saiu do Barcelona ao fim da temporada, onde atuou por toda a carreira, para se transferir para o Vissel Kobe, do Japão. Ele indicou que a decisão de deixar a seleção se deu por considerar que a equipe precisa de uma renovação.

"O futuro é apaixonante, com um grupo de jogadores que são incríveis e que a partir de agora me terão como um torcedor a mais, os apoiando incondicionalmente. Não tenho nenhuma dúvida de que o que virá será maravilhoso e que conseguirão grandes êxitos. O grupo que temos é impressionante", comentou.

 

Iniesta e a seleção espanhola decepcionaram na Copa do Mundo da Rússia ao caírem logo nas oitavas de final. Depois de vencer o Irã e empatar com Marrocos e Portugal na primeira fase, o país foi eliminado nos pênaltis pela Rússia, após empate por 1 a 1 no tempo normal e na prorrogação, no último domingo.

Mesmo assim, Iniesta foi apenas elogios e agradecimentos por seu período na seleção. Ele preferiu comentar os momentos felizes com a camisa do país, como o título mundial de 2010, na África do Sul, quando marcou o gol da vitória sobre a Holanda, na prorrogação, na decisão.

"Gostaria de dizer 'obrigado' a toda federação pelo apoio e tratamento que me deram nos últimos 19 anos. A todos os presidentes, dirigentes e empregados com quem convivi neste período. Tive a sorte de conviver com grandes treinadores durante toda esta etapa", afirmou.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.