Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Em coletiva, Tite admite a possibilidade de Elias deixar o Corinthians

Volante negocia com o Flamengo e foi opção no banco de reservas

MARCIO DOLZAN, Estadão Conteúdo

24 de maio de 2015 | 19h52

A opção de utilizar Bruno Henrique no lugar de Elias foi um indicativo de que o volante do Corinthians pode mesmo deixar o clube. Elias, que negocia com o Flamengo, não treinou no sábado e foi banco no empate sem gols, neste domingo, no Maracanã. Na entrevista coletiva que concedeu após o jogo, o técnico Tite disse em dois momentos que a opção havia sido "técnica", mas, com a insistência no assunto, acabou cedendo.

Tite foi questionado se a escalação de Bruno Henrique e Mendoza nas vagas de Elias e Emerson não seria uma forma de dar preferência aos jogadores que não estão de saída ou em negociação com outras equipes. "Isso me deixa numa saia justa... É uma parte da resposta, você sabe, e existem outras situações", disse o treinador. "Sim, a opção é essa. O técnico trabalha para o clube e respeita os atletas".

A saída de jogadores do clube foi o tema que dominou a coletiva. Guerrero, que perdeu um gol incrível, pode ter feito a sua penúltima partida pelo Corinthians. Depois do clássico contra o Palmeiras, ele se apresenta à seleção do Peru para a disputa da Copa América e seu vínculo termina em 15 de julho.

Tite disse não ter ainda uma definição se poderá contar com o atacante após a disputa. O treinador irá se reunir com o presidente Roberto de Andrade ao longo da semana para tratar sobre o assunto. Mesmo assim, ele se mostrou resignado. "O futebol brasileiro, a cada seis meses, tem esses ajustes. É inevitável, pelo poder aquisitivo dos clubes, as necessidades que eles têm. É assim, não só o Corinthians", comentou.

Sobre o empate com o Fluminense, o técnico destacou a maior posse de bola corintiana, mas lamentou os erros na frente. "Foi um jogo seguro, com mais posse de bola que os outros jogos, mas faltando agressividade no último terço do campo, faltando infiltração maior, objetividade maior", considerou.

RESPEITO

Principal personagem nas últimas semanas do Corinthians, Guerrero foi um dos atletas mais assediados pela imprensa na saída do campo, tanto pela quase certa definição que não continuará no clube paulista após o fim de seu contrato (que vai até o próximo dia 15), quanto pelo gol perdido contra o Fluminense. 

Com a impossibilidade de consolar a torcida corintiana pelo chute errado neste domingo, pelo menos o atacante peruano garantiu que seus fãs não o verão defendendo as cores de um rival: "Não jogaria no Palmeiras. Não jogaria em nenhum time que é rival do Corinthians em São Paulo", disse. "Meu futuro ainda está indefinido". 

DISCUSSÃO

No fim do jogo, o atacante Fred e o meia Petros se desentenderam no túnel que dá acesso aos vestiários. Por pouco a discussão não acabou em vias de fato. Tite disse não ter visto a cena, mas que ficou sabendo no vestiário. "Tem certas coisas que são entre os atletas de dentro de campo", minimizou. Petros também negou que tivesse acontecido algo mais grave. "Sou baiano, cabra macho. Não deixaria alguém me agredir".

Tudo o que sabemos sobre:
futebolCorinthiansTiteElias

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.