Em crise, Fluminense tenta a reabilitação no Morumbi

Em profunda crise, abatido e sem confiança, o time do Fluminense olha para a tabela do Campeonato Brasileiro e vê que ela lhe reserva uma pedreira nesta quarta-feira: o embalado São Paulo, às 21h50, no Morumbi. Apesar de precisar somar muitos pontos no returno para escapar do rebaixamento, a equipe tricolor erguerá as mãos para os céus se conseguir, ao menos, um empate.

BRUNO LOUSADA, Agencia Estado

19 de agosto de 2009 | 08h41

?Atitude é a palavra que deve entrar na cabeça de todos, pois só assim vamos sair dessa situação?, declarou o técnico Renato Gaúcho, que apoiou a ameaça feita pelo coordenador de Futebol, Branco, na última segunda, de que jogadores poderão ser afastados do elenco se não demonstrarem aplicação. ?Não estamos aqui para passar a mão na cabeça de ninguém e nem temos tempo para isso. Eles recebem bons salários, estão em um grande clube e precisam provar a importância de estar aqui?.

Renato Gaúcho usou o Avaí como um exemplo a ser seguido. Numa arrancada digna de elogios, a equipe de Florianópolis passou da zona de descenso para a sexta colocação em pouco tempo. ?Cheguei a perguntar ao grupo se o Avaí está cheio de craques. Com todo respeito a equipe deles, que vem mostrando a atitude que peço e serve como referência para o Fluminense?.

O treinador não parou por aí. ?Precisamos esquecer o passado. O São Paulo é uma equipe difícil de ser batida no Morumbi, mas não estamos em condições de escolher adversário?, disse. ?A minha equipe não tem medo de ninguém. Não fizemos o dever de casa com o Coritiba (no último domingo) e agora precisamos pontuar".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.