Em crise, Parma tenta vender suas estrelas

O Parma vive uma situação delicada. O clube, que ocupa a sexta colocação no Campeonato Italiano, com 24 pontos, colocou todos os jogadores à venda. A situação financeira é crítica.A Parmalat, empresa proprietária do Parma, atravessa uma delicada crise financeira. Os diretores não têm mais condições de manter no elenco suas principais estrelas. Assim, terá de se desfazer dos principais jogadores para tentar colocar as contas em dia.De acordo com informações divulgadas pelo jornal italiano La Gazzetta dello Sport, o Parma pede US$ 174 milhões por suas estrelas. Foi a única saída encontrada pelo presidente Calisto Tanzi para tentar contornar o problema.Dentre os jogadores que devem ser colocados à venda está o centroavante brasileiro Adriano, que se recupera de uma contusão no joelho. Mas a diretoria pede um preço muito alto por ele: US$ 73 milhões.Pelo goleiro Sebastian Frey, o clube quer US$ 18,3 milhões; pelos defensores Matteo Ferrari e Daniele Bonera, US$ 15 milhões e US$ 20 milhões, respectivamente; o meio-de-campo Marco Marchionii e o atacante Alberto Gilardino só saem por US$ 15 milhões cada.Patrick Nebiolo, gerente-geral do Parma, chegou a falar: "Na verdade, vamos nos separar da Parmalat. Seremos independentes, vamos ter os nossos jogadores. Portanto, não existe nenhum supermercado no Parma. Não vamos nos desfazer de nossos jogadores."O grande problema é que a Parmalat é a dona do clube. Como a empresa está em crise financeira, o Parma deverá sofrer as conseqüências disso, uma vez que teria dificuldades em obter recursos para adquirir os jogadores.Além de Adriano, o Parma conta com outro brasileiro: o lateral-esquerdo Júnior, que no ano passado foi campeão mundial com a seleção brasileira na Coréia do Sul e no Japão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.