Em crise, São Paulo faz clássico contra o Corinthians

O torcedor do São Paulo que for ao Pacaembu neste domingo precisará ter paciência e fé na máxima de que clássico não tem favorito para acreditar em uma vitória sobre o Corinthians, às 16 horas, pela nona rodada do Campeonato Brasileiro. Não que o rival alvinegro esteja fazendo uma campanha exuberante na competição - com 10 pontos, ocupa a parte inferior da tabela de classificação -, mas a péssima fase do time, os sucessivos recordes negativos e a ausência de vitórias em clássicos nesta temporada tornam o cenário nebuloso para o clube tricolor, que faz seu último jogo antes de partir para uma excursão pelo exterior.

RAPHAEL RAMOS E FERNANDO FARO, Agência Estado

28 de julho de 2013 | 08h17

As oito derrotas consecutivas - fato inédito na história do clube - e os 11 jogos sem vencer, marca registrada apenas em 1951 e 1986, transformaram a equipe em um frágil castelo de cartas, que desaba assim que sofre um gol. Mesmo os esforços de Paulo Autuori para levantar o astral do grupo estão sendo infrutíferos e o script torna-se ainda mais dramático pela incapacidade de reação.

Já são três jogos sem marcar uma única vez e com perspectivas pouco animadoras, já que o time não terá seus dois homens de frente. Luis Fabiano sentiu lesão muscular e Aloísio cumprirá suspensão. Caberá a Ademilson e Osvaldo tentar colocar fim à estiagem.

Autuori continua trabalhando em busca de respostas e tenta utilizar as peças do reduzido elenco para encontrar uma forma de voltar a vencer. Mesmo em um momento que pede prudência, ele se nega a mudar a forma de jogar da equipe e descarta reforçar a defesa. "Nenhum técnico de time grande põe seu time em campo para empatar. Estamos em uma tendência de queda e precisamos parar. Temos de tomar os cuidados necessários na defesa, mas nada além disso", explicou o treinador.

A primeira atitude de Autuori em busca da reação foi sacar Lúcio da equipe. O zagueiro, que deverá ser negociado em breve, era apontado como um dos principais problemas do São Paulo justamente por se aventurar no ataque e deixar a zaga desguarnecida. Outro medalhão que pode perder o lugar é Paulo Henrique Ganso, que pouco faz em campo e, para piorar, não é combativo na marcação. "Iremos no 4-4-2. O que podemos mudar é a disposição no meio", comentou Autuori. Maicon é o mais cotado para formar o setor com Wellington e Rodrigo Caio, embora Fabrício não esteja descartado.

VANTAGEM ALVINEGRA - Além de todo o cenário desfavorável, o São Paulo enfrenta ainda um retrospecto bastante ruim diante do rival neste ano. Foram quatro confrontos, com três derrotas e um empate. Tite, no entanto, não vê o Corinthians como favorito. Para ele, o seu time também está pressionado para conseguir uma vitória. "Em um grande clube, semana de clássico não tem tranquilidade. Se tiver tranquilidade é porque tem alguma coisa de errado".

Ele, inclusive, garante que não usará a crise do rival para motivar os seus jogadores. "O nosso time não se deixa envolver por qualquer situação externa e jogador que atua no Corinthians e precisa de motivação tem de procurar um médico".

Se o São Paulo acumula desfalques, o Corinthians terá força máxima. O time será o mesmo que bateu o rival tricolor na Recopa Sul-Americana. Os atacantes Guerrero e Emerson, poupados do jogo contra o Atlético Paranaense, voltam à equipe. Recuperado de lesão, o volante Ralf também retorna. Já o lateral-esquerdo Fábio Santos, que durante a semana chegou a ficar fora de algumas atividades por causa de dores no tornozelo esquerdo, teve a sua escalação confirmada, assim como o zagueiro Paulo André, que está gripado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.