Em Cuiabá, Flamengo conta com a torcida para bater o Goiás

Clube de Goiânia é punido e, apesar de ser o mandante, Rubro-negro contará com o apoio da torcida na Arena Pantanal

Estadão Conteúdo

10 Setembro 2014 | 08h13

Depois do tropeço na última rodada do Campeonato Brasileiro, quando perdeu para o Grêmio no Maracanã lotado, o Flamengo deve contar novamente com um grande apoio de sua torcida nesta quarta-feira, em jogo contra o Goiás, a partir das 22 horas, na Arena Pantanal, em Cuiabá. Apesar do mando de campo ser do clube goiano, os flamenguistas certamente serão maioria no estádio.

Há 18 anos sem jogar na capital do Mato Grosso, o Flamengo já foi recepcionado de forma calorosa por cerca de três mil torcedores durante o desembarque do aeroporto da cidade.  O Goiás joga longe de sua casa já que foi punido por violência no Serra Dourada. E a torcida promete empurrar o time em campo nesta quarta-feira, para voltar a vencer e tentar se aproximar do G4 - está em 10º lugar no Brasileirão, com 25 pontos. Já o clube goiano ocupa a 13ª posição, com 24 pontos, o que aumenta a importância do jogo.

Para ajudar, Vanderlei Luxemburgo terá reforços importantes para escalar o time. Ele pode contar novamente com sua defesa titular, formada por Marcelo e Wallace, que têm se destacado desde a chegada do treinador ao clube.

"A gente tem conseguido uma sintonia legal. Quem ganha com isso é a equipe do Flamengo. Que isso se prolongue", observou Wallace, que cumpriu suspensão na derrota de sábado para o Grêmio. Assim como ele, o meia Everton retorna de suspensão nesta quarta-feira. Chegou a se cogitar também a escalação de Cáceres, que voltou da seleção paraguaia, mas a comissão técnica preferiu poupar o volante.

Outra novidade diante do Goiás é a escalação do atacante Eduardo Silva entre os titulares. O jogador vinha se destacando ao entrar na segunda etapa das partidas - fez três gols nessa condição. E agora terá sua segunda oportunidade de iniciar um jogo no campeonato.

Mais conteúdo sobre:
futebol Brasileirão Flamengo Goiás EC

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.