Valéria Gonçalvez/Estadão
Valéria Gonçalvez/Estadão

Em despedida do Palmeiras, Prass indica Mattos como responsável pela sua saída

Goleiro de 41 anos descarta aposentadoria e lamenta decisão do clube de não querer renovar contrato com ele

Redação, O Estado de S.Paulo

10 de dezembro de 2019 | 13h02

A história de sete anos, três títulos nacionais e 274 jogos pelo Palmeiras terminou nesta terça-feira para Fernando Prass. O goleiro de 41 anos concedeu entrevista coletiva na Academia de Futebol para selar a despedida do clube após não ter o contrato renovado. Durante a conversa com os jornalistas, ele garantiu que ainda não sabe onde vai jogar em 2020 e apontou o ex-diretor de futebol Alexandre Mattos como o responsável pela sua saída.

O dirigente esteve no comando do departamento de futebol entre 2015 até o início de dezembro deste ano, quando foi demitido juntamente com o técnico Mano Menezes ao fim de uma derrota para o Flamengo, pelo Campeonato Brasileiro. Prass afirmou que já esperava a saída, pois avaliou que o Palmeiras teria preferência para manter os goleiros Jailson e Weverton.

"O antigo diretor (Alexandre Mattos) teve uma estratégia contratual que deixou meu destino selado. Pelo que se criou, eu mesmo achei que não tinha muitas possibilidades de eu permanecer aqui. Porque a última coisa que eu quero também é atrapalhar qualquer planejamento do clube", disse o goleiro. "A minha não permanência foi muito mais uma questão administrativa do que técnica", completou.

O Palmeiras anunciou a saída de Prass no sábado de manhã e no mesmo dia o goleiro publicou nas redes sociais que o adeus não era do jeito esperado. O desejo dele era se aposentar no time alviverde. Apesar de evitar críticas, o jogador demonstrou que ficou desapontado com informações desencontradas. Como exemplo, ele cita que enquanto a diretoria negava que Jailson tinha contrato para ficar no time em 2020, o próprio colega confirmou que já tinha vínculo assinado.

"O planejamento que o Palmeiras me passou é de que, dos dois goleiros, um deles ficaria. Dois grandes goleiros, um tendo contrato, o outro não tendo, é muito dedutível, é fácil de se deduzir qual a probabilidade de um e de outro", comentou o goleiro. Prass descarta se aposentar e promete que só agora vai começar a analisar propostas de novos clubes.

No adeus, Prass ressaltou a identificação com a torcida e recebeu uma placa de agradecimento entregue pelo presidente do Palmeiras, Mauricio Galiotte. "Embora a gente seja profissional, remunerado para isso, esse carinho da torcida é absurdo. Porque com dinheiro tu compra praticamente tudo, mas esse respeito, essa admiração, não compra. As demonstrações de carinho que recebi a partir de sábado, quando falei que iria sair, me surpreenderam", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.