Pablo Rey/AE
Pablo Rey/AE

Em dia 'histórico', Kaká revela 'fascínio' pelo Real

Meia brasileiro afirma que terá grande responsabilidade ao defender a camisa do clube espanhol

Agencia Estado

30 de junho de 2009 | 17h43

Após ser recebido por cerca de 50 mil torcedores no Estádio Santiago Bernabéu, o meia Kaká continuou nesta terça-feira o ritual da sua apresentação no Real Madrid com uma longa entrevista coletiva. Além da imprensa local, o ex-jogador do Milan também falou para jornalistas do Brasil, Itália, Inglaterra e até do Japão. Mostrando muita simpatia, Kaká descreveu o dia de sua chegada ao Real como "histórico", lembrando até Ronaldinho Gaúcho no Barcelona.

Veja também:

linkKaká é apresentado pelo Real Madrid e veste a camisa 8

som Ouça na Eldorado/ESPN o discurso de Kaká

especial Mercado: as transferências dos times

especial Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão

"A última (apresentação) que vi parecida realmente foi a do Ronaldinho. E pra mim hoje foi um dia inesquecível, uma coisa inédita na minha vida, um dia histórico", disse Kaká. "Eu acho que tudo isso é uma grande emoção, é uma grande responsabilidade, mas não uma responsabilidade negativa", continuou o meia, prometendo o início de uma era vitoriosa no novo time. "Me faz ter mais motivação de chegar neste clube e conquistar títulos e vitórias."

Ao comentar sobre sua decisão de deixar o Milan para reforçar o Real, Kaká reforçou seu desejo antigo de jogar em Madri. "O Real Madrid tem todo um fascínio no meio futebolístico. Quando estou na seleção (brasileira), quando converso com outros jogadores que já passaram pelo Real, sempre têm excelentes referências", contou. "Se um dia tivesse que sair do Milan, queria sair para o Real", afirmou, revelando que o time já havia tentado sua contratação em 2006.

Além de exercer sua vontade, Kaká disse que o projeto do presidente Florentino Pérez de formar um novo time de galácticos em Madri também o animou. "No momento em que o Florentino nos procurou ele não citou nomes, mas citou o projeto. E pra mim foi uma coisa que pesou bastante", disse o novo camisa 8 da equipe. O meia ainda garantiu que o Real voltará a fazer frente ao arquirrival Barça. "A ideia do Florentino é exatamente essa, poder bater o Barcelona."

No entanto, Kaká lembrou que apenas bons jogadores não garantirão o sucesso do projeto. "Aprendi que só o talento não é suficiente. Já participei de times talentosos que não venceram, e de times menos talentosos que acabaram sendo campeões", comentou, negando que terá problemas com o outro astro contratado pelo Real, o português Cristiano Ronaldo. "Não vai ter essa rivalidade. Somos jogadores compatíveis, vamos poder jogar juntos. Esse tipo de ciúmes e vaidade entre nós não vai existir."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.