Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Em duelo contra o Paulista, Muricy iguala Telê Santana no Morumbi

Em caso de vitória, técnico se torna o 2.º que mais venceu na história do clube

O Estado de S. Paulo

06 de fevereiro de 2014 | 18h13

SÃO PAULO - A quinta-feira é especial para o técnico Muricy Ramalho. O treinador comanda o São Paulo na partida contra o Paulista, em jogo válido pela 6.ª rodada do Campeonato Estadual, para alcançar marca histórica: 176 jogos comandando a equipe no Estádio do Morumbi. E se a vitória vier, Muricy ainda se torna o segundo técnico mais vitorioso da história do clube, igualando José Poy.

"É motivo de orgulho pra mim, porque não é fácil ter um número como esse. O Poy foi meu treinador, no juvenil e profissional, e guardo grandes lembranças dele. Na verdade, era como um pai. E o Telê me deu a oportunidade de ser treinador. Tudo o que eu sei sobre futebol, foi com ele que aprendi. Impossível não me sentir orgulhoso", disse o treinador, em entrevista ao site do clube.

Com carreira de jogador feita basicamente no São Paulo, aonde permaneceu por seis anos, Muricy Ramalho possui ainda mais identificação com o clube como treinador. Foi lá que começou sua carreira como técnico, em 1994, quando, após de ser auxiliar de Telê Santana, assumiu a equipe de forma interina em algumas oportunidades. Depois disso, em 2006, Muricy foi contratado para treinar o São Paulo e, depois de cerca de quatro anos, acumulou três titulos do Campeonato Brasileiro de forma consecutiva. Agora, em sua terceira passagem como treinador pelo Morumbi, apesar de não ter conquistado resultados expressivos, ele acumula recordes.

"Agora, com certeza, é a minha segunda casa. Principalmente com esses números, porque mostram o quanto o clube foi importante pra mim", comentou Muricy, que depois de ultrapassar Telê Santana como o terceiro técnico que mais venceu no comando do São Paulo, ano passado, está perto de alcançar José Poy, que acumula 213 triunfos pela equipe.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.