Em festa no Mineirão, Alex marca e se despede da torcida do Cruzeiro

Em festa no Mineirão, Alex marca e se despede da torcida do Cruzeiro

Craque liderou a campanha da Tríplice Coroa em 2003

Estadão Conteúdo

27 de junho de 2015 | 18h49

O meia Alex se despediu oficialmente da torcida do Cruzeiro em um jogo festivo neste sábado que contou com quase 25 mil presentes no Mineirão. A partida teve de um lado a equipe que o camisa 10 atuou e conquistou a Tríplice Coroa (títulos do Campeonato Mineiro, Copa do Brasil e Brasileirão) em 2003 e de outro ídolos que vestiram a camisa celeste.

O craque saiu de campo com uma vitória por 6 a 2, com direito a um gol, o segundo da equipe. Aristizábal, Marcelo Ramos, Paulo Miranda, Marcinho e Sandro fizeram os outros. Alex Mineiro e Carlos Alberto Seixas descontaram.

Os campeões de 2003 começaram a partida com: Gomes; Maurinho, Cris, Marcelo Batatais e Leandro; Recife, Maldonado, Zinho e Alex; Aristizábal e Marcelo Ramos. Do outro lado, a escalação inicial tinha Rodrigo Posso; Evanilson, Caçapa, Cléber e Elivelton; Ricardinho, Tinga, Da Silva e Cleisson; Fábio Júnior e Alex Mineiro.

Também estiveram em campo torcedores ilustres, como o cantor Samuel Rosa. O vocalista do Skank entrou no segundo tempo na equipe de Alex e cometeu um pênalti, que Carlos Alberto Seixas cobrou para marcar.

Todos os atletas que estiveram em campo receberam uma medalha do Cruzeiro como uma forma de agradecimento pelos serviços prestados. "É muito legal tudo isso. A gente se reencontrar é algo mágico. Para nós, aquele time de 2003 era muito mais do que uma equipe, era uma família. O entrosamento que nós tínhamos nos treinamentos, nas concentrações, nos vestiários e nos jogos era fantástico. Dentro de campo a gente jogava de olho fechado", disse Aristizábal.

Sorín, que entrou no decorrer da partida no lado dos time dos ídolos eternos, foi um dos mais exaltados pelos torcedores. "Estou feliz e contente por fazer parte dessa grande festa. São dois times históricos, tanto o pessoal de 2003 quanto os outros ídolos, outras grandes lendas, como Raul Plassmann, Dirceu Lopes e tantos outros. É muito bom reencontrar os amigos e ter novamente esse carinho eterno da torcida comigo", afirmou.

HOMENAGEM - Antes do jogo festivo, Alex colocou os pés no Hall da Fama do Mineirão. "É uma situação nova na minha vida poder entrar para a calçada da fama do Cruzeiro e fiquei feliz com a oportunidade. Só tenho que agradecer. O futebol me proporcionou conquistas absurdas e eu sou muito grato por todos os clubes por onde joguei. No Cruzeiro foi tudo muito mágico. Hoje estou tendo a oportunidade de vestir essa camisa mais uma vez e realmente é uma situação que me emociona muito", declarou o camisa 10.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolCruzeiroAlexMineirão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.