Remy Gabalda/ AFP
Remy Gabalda/ AFP

Em investigação interna, PSG diz não ter encontrado provas de discriminação na base

Clube foi acusado de escolher jovens jogadores separando-os pela cor da pele; apenas um negro foi contratado em cinco anos

Estadão Conteúdo

16 Novembro 2018 | 13h50

A diretoria do Paris Saint-Germain afirmou nesta sexta-feira que não encontrou provas de discriminação em suas equipes de base, em uma investigação interna. Na semana passada, o clube havia sido denunciado pela Federação Francesa de Futebol (FFF) por supostamente promover a discriminação no recrutamento de jovens jogadores para suas categorias de base nos últimos anos.

As informações que levaram à denúncia surgiram no portal francês Mediapart, com base em documentos divulgados pelo "Football Leaks", iniciativa que conta com diversos veículos jornalísticos do mundo. Estes dados mostraram que a equipe parisiense possuía um método de classificação de atletas a serem recrutados com base nas suas etnias.

O portal afirmou que o PSG separava os possíveis atletas a serem recrutados pelos seus observadores em quatro subgrupos: "francês", "norte-africano", "das Antilhas" e "negro africano". E sob essa política, comandada pelo dirigente Marc Westerlopp - chefe do recrutamento de atletas das categorias de base - , apenas um atleta negro foi contratado entre os anos de 2013 e 2018.

O caso repercutiu bastante na França, e a ministra do Esporte, Roxana Maracineanu, chegou a manifestar seu "desalento" diante das acusações. Já a presidente da Liga Francesa, Nathalie Boy de la Tour, afirmou que "estas práticas são inaceitáveis".

Logo após a denúncia, o PSG soltou uma nota admitindo que praticou discriminação racial nas categorias de base. Disse, no entanto, não ter conhecimento de um sistema formado para registrar etnicamente os jogadores, creditando-o apenas a uma ação individual do dirigente em questão. E, em sua investigação interna, disse não ter encontrado evidências de discriminação.

Segundo o clube, a investigação foi baseada em entrevistas com funcionários do clube responsáveis pelo recrutamento de atletas para a base. E "não há provas de discriminação". O PSG divulgou o resultado de sua apuração interna após reunião com a ministra do Esporte.

O clube francês, contudo, admitiu que formas ilegais de recrutamento foram usadas entre 2013 e 2017, mas negou responsabilidade por implementar este procedimento discriminatório em sua base. "Nenhum destes procedimentos foram reportados à direção geral do clube", disse a diretoria do PSG.

O caso, porém, seguirá sendo investigado tanto pela Federação Francesa de Futebol quanto pela Liga de Direitos Humanos da França.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.