José Patrício/AE
José Patrício/AE

Em jogo quente, Santos ganha no fim do São Paulo por 3 a 2

Vitória dentro do estádio do Morumbi deixa equipe santista perto da vaga para a final do Campeonato Paulista

André Rigue, estadão.com.br

11 de abril de 2010 | 17h57

Com um jogador a menos desde os 33 minutos do primeiro tempo, o São Paulo teve uma atuação heroica, mas não conseguiu suportar a pressão do Santos e foi derrotado no final por 3 a 2, no Morumbi, na primeira partida das semifinais do Campeonato Paulista. O time santista agora poderá até perder o jogo de volta, na Vila Belmiro.

Veja também:

linkDorival critica e diz que vitória foi injusta

linkSão Paulo reclama da arbitragem

blog  Quais clubes farão a final do Paulistão?

forum  BLOG BATE-PRONTO - Santos tremeu, mas foi o São Paulo que dançou

 

Quem passar enfrentará na decisão o ganhador do confronto entre Grêmio de Presidente Prudente e Santo André.

 

Ao longo da semana, o time são-paulino pregou que tinha encontrado a formação tática ideal e que cresceria na hora do mata-mata, enquanto o Santos, por ter um time de jovens, sentiria a pressão.

 

O etapa inicial, porém, foi toda do Santos, que entrou bem organizado taticamente e sufocou a equipe tricolor. O 1.º gol não demorou para sair. Aos 25 minutos, Neymar deu passe para Léo, que cruzou rasteiro pela esquerda. Júnior César, afobado, cortou mal e mandou para o fundo do próprio gol.

 

Em desvantagem, o São Paulo ficou nervoso. Marlos, então esperança, deu uma pancada em Robinho e foi expulso pelo segundo amarelo aos 33 minutos. "Nem encostei nele", reclamou o jogador ao deixar o gramado. "Os árbitros sempre prejudicam a gente", defendeu o companheiro Washington. "O São Paulo sempre é prejudicado nos grandes jogos", completou.

 

Com um homem a mais, o Santos conseguiu chegar ao segundo gol aos 40 minutos do primeiro tempo. Neymar recebeu dentro da área e fez um passe de grande habilidade. André recebeu e finalizou para o fundo das redes. "Falei para ele dar uma brecha e mandar no segundo pau. Fiquei feliz por ter feito o gol", explicou.

 

 São Paulo 2
Rogério Ceni; Jean, Alex Silva, Miranda e Junior Cesar; Rodrigo Souto, Hernanes, Jorge Wagner (Fernandinho) e Marlos    ; Dagoberto (Marcelinho Paraíba) e Washington (Cicinho    )
Técnico: Ricardo Gomes
 Santos 3
Felipe; Wesley    , Edu Dracena    , Durval e Léo    ; Arouca, Marquinhos (Zé Eduardo) e Paulo H. Ganso    ; Robinho    , André (Pará) e Neymar     (Madson)
Técnico: Dorival Junior
Gols: Júnior César (contra), aos 25, e André, aos 40 minutos do primeiro tempo; Hernanes, aos 7, Dagoberto, aos 21, e Durval, aos 44 minutos do segundo tempo

Árbitro: Marcelo Rogério

Renda: R$ 1.578.325,25

Público: 35.695 torcedores

Estádio: Morumbi, em São Paulo

Porém, tudo mudou na etapa final. Ricardo Gomes deixou Washington no banco e colocou Cicinho. O Santos voltou com a mesma formação. O time, no entanto, pecou no preciosismo e Robinho perdeu uma grande chance logo no começo. O excesso de dribles da garotada também mexeu com os nervos dos são-paulinos, que de desdobraram no campo.

 

Aos 7 minutos do segundo tempo, Hernanes fez boa jogada, limpou a marcação e chutou de fora da área, rasteiro. A bola morreu no cantinho direito do goleiro Felipe e fez o Morumbi explodir.

 

O Santos travou emocionalmente após levar o gol e viu o São Paulo crescer. O time do Morumbi nem parecia ter um jogador a menos. O empate foi inevitável e chegou aos 21 minutos. Dagoberto, que tinha os lábios sangrando por causa de uma pancada, cabeceou para o fundo das redes após cruzamento de Cicinho: 2 a 2.

 

"Esse machucado foi o Ganso que causou", acusou Dagoberto. "Todo mundo caiu em cima de mim, mas foi novamente ele que deu a pancada. Difícil explicar."

 

Para corrigir os erros, Dorival Júnior foi obrigado a mudar o Santos. O treinador tirou Marquinhos, André e Neymar, para colocar Zé Eduardo, Madson e Pará, respectivamente. O alvinegro praiano recuperou o equilíbrio e conquistou a vitória aos 44 minutos, de forma dramática, após Durval cabecear em cobrança de falta de Madson - na jogada, Rogério Ceni falhou na saída do gol. "Uma pena, um empate aqui daria mais chances", lamentou o goleiro são-paulino.

 

Robinho, apesar da atuação discreta, comemorou o placar. "Qualquer vantagem num clássico contra o São Paulo é boa", explicou o atacante. "Não teve salto alto do Santos no segundo tempo. A gente recuou demais na etapa final e eles conseguiram empatar. Felizmente saímos vitoriosos."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.