Evaristo Sá/AFP
Evaristo Sá/AFP

Em live, Bolsonaro pede volta de torcida nos estádios 'o mais cedo possível'

Presidente se manifesta pelo fim do isolamento social em dia que o país tem 1.439 mortes causadas pela covid-19

Redação, Estadão Conteúdo

28 de janeiro de 2021 | 23h14

Em live realizada nas redes sociais na noite desta quinta-feira, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) reforçou o seu desejo de que as torcidas de futebol voltem aos estádios do País. As arenas não recebem público há quase um ano no Brasil.

O comentário acontece no dia em que o Brasil registrou o terceiro maior número de novas mortes por covid-19 em um intervalo de 24 horas. Foram 1.439 óbitos e 60.301 novos casos da doença, segundo levantamento do consórcio de veículos de imprensa, do qual o Estadão faz parte.

"Temos que voltar a viver, pessoal. Sorrir, fazer piada, brincar. Voltar (o público) nos estádios de futebol o mais cedo possível, que seja com uma quantidade menor, 20%, 30% da capacidade do estádio", opinou Bolsonaro.

"Temos que voltar a viver, cuidar dos mais idosos, de quem tem comorbidade. As vacinas estão vindo aí. Sempre disse: passou pela Anvisa, a gente compra, não interessa de onde vem. Assim fizemos. O mundo está com falta de vacina", completou o presidente.

No total são 221.676 óbitos registrados e 9.060.786 pessoas contaminadas no País, segundo o balanço mais recente do consórcio formado por Estadão, G1, O Globo, Extra, Folha e UOL em parceria com 27 secretarias estaduais de Saúde. A média móvel de mortes por covid-19 ficou em 1.064 nesta quinta-feira e é a maior registrada desde 4 de agosto, quando o número de óbitos diários chegou a 1.066. Os dados foram divulgados às 20h.

As partidas são disputadas sem torcidas no Brasil desde o início da pandemia do coronavírus. Na final da Libertadores entre Palmeiras e Santos no Maracanã, no sábado, não haverá venda de ingressos ao público, mas a Conmebol estipulou um limite de 5 mil pessoas credenciadas, entre estafe, funcionários de segurança, jornalistas, convidados dos patrocinadores e dirigentes da Conmebol, autoridades da cidade, Estado e País e convidados dos clubes finalistas.

A decisão no Maracanã poderia ter até 7.800 pessoas, já que o governador em exercício do Estado do Rio de Janeiro, Cláudio Castro, publicou um decreto recentemente que libera 10%da capacidade do estádio para convidados dos clubes, patrocinadores e da Conmebol, além de colaboradores. Os espectadores da final da Libertadores terão que respeitar todas as medidas do protocolo de segurança, como apresentar exame PCR negativo e usar máscara de proteção durante a partida.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolJair Bolsonarocoronavírus

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.