Em luta contra leucemia, meia búlgaro abandona futebol

O meia Stiliyan Petrov oficializou nesta quinta-feira sua aposentadoria do futebol após mais de um ano lutando contra uma leucemia. O búlgaro de 33 anos foi diagnosticado com a doença em março de 2012 e desde então estava afastado do Aston Villa, clube no qual se tornou ídolo, mas somente agora confirmou que está deixando os gramados definitivamente através de um emocionante comunicado no site da equipe inglesa.

AE, Agência Estado

09 de maio de 2013 | 11h13

"Nunca fui uma pessoa de fazer grandes discursos. Sempre foquei no meu trabalho, grato por ter grandes companheiros, ótimas pessoas em minha volta e, mais do que tudo, minha família", apontou. "O futebol é o outro amor da minha vida, então é com o coração pesado que estou anunciando minha aposentadoria do esporte. As emoções estão aflorando, mas o apoio contínuo da família, amigos e todas as grandes pessoas que conheci fará com que seja mais fácil deixar a única vida que eu conheço."

Após mais de um ano de tratamento, Petrov está evoluindo positivamente, com o câncer reduzindo e representando menos riscos. Mas o búlgaro não esquece o dia em que a doença foi diagnosticada. "Algo louco aconteceu, algo que pensei que era apenas um resfriado, mas acabou sendo mais sério, algo que mudou minha vida. Joguei 90 minutos contra o Arsenal e me senti extenuado, não era eu mesmo. Pensei que não era sério, mas o diagnóstico foi um choque completo", lembrou.

Com a aposentadoria, Petrov revelou que pretende criar uma fundação para arrecadar fundos para o diagnóstico da leucemia, já que a rápida ação após ter conhecimento da doença provou-se fundamental no caso dele. "Cerca de 7.600 pessoas no Reino Unido são diagnosticadas todo ano com leucemia e 2.300 com leucemia aguda. Felizmente, fui capaz de tomar decisões rapidamente e comecei o tratamento logo. Eu precisava."

Petrov chegou ao Aston Villa em 2006, vindo do Celtic, e desde então tornou-se ídolo da torcida, que hoje em dia o homenageia com aplausos no 19.º minuto de cada partida - 19 era o número usado pelo atleta. "Quero agradecer os torcedores do Aston Villa, a diretoria, o técnico Paul Lambert. Eles me ajudaram muito e me deram muito apoio durante o último ano", comentou.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolAston VillaPetrovleucemia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.