Em Minas, São Paulo joga seu futuro contra Atlético-MG

Quando começou a sequência contra Internacional, Santos e Atlético Mineiro, os jogadores projetavam conquistar sete dos nove pontos em disputa. Dois empates - em atuações muito apagadas - depois, o São Paulo vai a Belo Horizonte nesta quarta-feira com a obrigação de conquistar um bom resultado para não se distanciar de vez dos primeiros colocados. Apesar de estar a três pontos do G4 e até poder figurar no bloco ao fim da rodada (caso vença, o Vasco perca para o Palmeiras e o Botafogo não ganhe do Internacional nesta quinta), uma derrota pode mudar totalmente o cenário e mandar a equipe até para a 8.ª posição.

FERNANDO FARO, Agência Estado

12 de setembro de 2012 | 09h06

Para conseguir o objetivo de se manter entre os primeiros colocados, o São Paulo precisa superar a fraca campanha como visitante (são apenas três vitórias em 12 jogos) justamente contra o melhor anfitrião. Os mineiros estão invictos em casa, com nove vitórias e dois empates - aproveitamento de 87%. Se existe algum consolo para os são-paulinos é o fato de a equipe ter vencido os únicos dois jogos da história contra o adversário no estádio Independência, palco do jogo, que começa às 22 horas.

O que mais tem preocupado é a falta de capacidade de criação especialmente nos últimos dois jogos, quando o São Paulo sofreu para chegar ao gol dos adversários e abusou dos levantamentos. A expectativa é que o problema seja sanado com o retorno de Lucas, que esteve ausente justamente no momento em que a equipe parou de ser perigosa.

O técnico Ney Franco e os companheiros não escondem que a volta do meia é um alívio. "É um jogador de muita qualidade, rápido e tenho certeza que ele vai ajudar bastante", elogiou Jadson. Outro que volta é Maicon, que cumpriu suspensão.

Mas não são só de boas notícias que vive o treinador, que precisará lidar com as ausências de Denilson, suspenso, e de Luis Fabiano e Rhodolfo, ambos machucados. Com isso, ele pode alterar o esquema originalmente idealizado, que tinha Paulo Miranda no lugar de Douglas na lateral direita, sendo que o beque poderia virar um terceiro zagueiro e conter os avanços de Ronaldinho Gaúcho pelo setor.

Se quiser manter a formação, a tendência é que Edson Silva entre na equipe; outra opção é recolocar Douglas entre os titulares e partir para um 4-4-2 "puro". Casemiro fica com a vaga no meio de campo e Osvaldo deve ser o parceiro de Lucas na frente.

A dúvida passa pela preocupação em conter os avanços do poderoso ataque do rival (melhor do campeonato ao lado de Botafogo e Fluminense, com 38 gols). A maior preocupação está na dupla Bernard e Ronaldinho Gaúcho, que atravessa grande momento na temporada e desequilibrou na vitória sobre o Palmeiras na última rodada. A esperança é que Casemiro repita a boa atuação do primeiro turno, quando anulou o craque e ganhou elogios pela atuação.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolBrasileirãoSão Paulo FC

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.