Em Mogi Mirim, São Paulo 'treina' para jogos decisivos

Se tivesse sido eliminado na Copa Libertadores na última quarta-feira, o São Paulo entraria em campo contra o Mogi Mirim, neste domingo, às 16 horas, no estádio Romildo Gomes Ferreira, em Mogi Mirim, sob enorme pressão da torcida e o jogo, válido pela 19.ª e última rodada da primeira fase do Campeonato Paulista, teria potencial de detonar uma grave crise no clube. Mas como o sofrimento na competição continental acabou com final feliz, o time tricolor entra em campo apenas para fazer um amistoso de luxo e ter o último jogo sem importância antes do início da reta final das competições do primeiro semestre.

FERNANDO FARO, Agência Estado

21 de abril de 2013 | 08h48

Como tem sido a tônica desde que o time assegurou a melhor campanha da primeira fase há três partidas, faltarão atrativos para o compromisso. Assim, ficará a cargo dos reservas a responsabilidade de entrar em campo em fazer um bom papel na despedida da primeira fase. Os titulares serão preservados depois do grande desgaste sofrido contra o Atlético Mineiro. Desta vez, no entanto, quem entrar em campo sabe que dificilmente terá chance de pleitear uma vaga na equipe principal depois da ótima exibição no Morumbi.

Dessa forma, a maior possibilidade é que o técnico Ney Franco dê chance a alguns garotos da base que já treinam com o time principal, mas ainda não tiveram muitas chances, casos por exemplo de Lucas Farias e João Schmidt. A tendência é que a equipe seja mesclada entre os jovens talentos de Cotia e outros nomes mais experientes, como Fabrício e Rhodolfo.

A expectativa de quem vai jogar, é claro, é ganhar pontos com o treinador e se credenciar nas disputas por posições. "Aquele jogo foi nítido, estávamos preocupados com a Libertadores. Mas agora acabou, não podemos entrar diferente do que foi contra o Atlético. Não podemos subestimar o adversário e são nesses jogos que aparecem os grandes jogadores", disse Ney Franco.

O único ponto alto para o torcedor será o retorno de Luis Fabiano à equipe após três semanas de recuperação de dores na panturrilha. Ele será o único titular escalado e tem uma missão particular: conquistar novamente a parte da torcida que passou a criticá-lo após a suspensão imposta pela Conmebol na Libertadores. Apesar de não ter participado dos últimos cinco jogos da equipe, o atacante é o artilheiro do time no Paulistão (oito gols) e também na temporada (12).

Tudo o que sabemos sobre:
futebolPaulistãoSão Paulo FC

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.