Em nova crise, Santos enfrenta Lusa

Enquanto dentro do campo a equipe procura manter a boa qualidade, enfrentando a Portuguesa de Desportos, às 16h, na Vila Belmiro, o Santos ganhou nesta sexta-feira nova crise, desta vez no campo político. O ex-presidente Samir Abdul-Hak e o ex-vice presidente José Paulo Fernandes tiveram seus direitos suspensos no clube e nem poderão assistir às partidas nas sociais, depois de concluída a auditoria sobre a gestão anterior. "É uma cortina de fumaça para encobrir os desmandos da atual diretoria", reagiu Abdul-Hak. Com isso, a crise extra-campo vivido pelo time santista só tende a crescer, num momento em que a situação financeira é a mais crítica dos últimos anos.O técnico Geninho não quer ver esses problemas refletidos dentro de campo e comentou nos treinos desta sexta-feira: "isolei essas questões administrativas, não tomo partido e não quero que elas atrapalhem o trabalho". Por isso, estava satisfeito com o retorno da formação original de sua defesa, com três zagueiros. "Nas últimas partidas tivemos que fazer algumas adaptações, mas enquanto jogamos com três jogadores da função, o time não havia sofrido gols". Com a volta de Galván, que estava suspenso, ele espera resolver o principal problema da defesa, que á a falta de um jogador experiente para ficar na sobra."Atuo nessa função desde quando jogava na Argentina", disse Galván, admitindo que esse é um cuidado especial que deve ser tomado na partida deste sábado: "Joguei com o Hernani, que é um bom lançador, e temos que fechar o espaço entre os dois zagueiros". Por conta de uma falha desse tipo, a equipe cedeu o empate ao Botafogo quarta-feira passada.No ataque, o desfalque será Rodrigão, suspenso. Seu substituto será Deivid, que estava animado com essa nova oportunidade, depois de ter sido expulso por empurrar o adversário minutos depois de entrar em campo contra o Botafogo. "Substuituir o Rodrigão não é fácil, pois ele está numa boa fase, de muitos gols, e espero ter uma boa atuação para corresponder a essa oportunidade que o professor Geninho está me dando". Sobre o episódio de quarta-feira, já fez a auto-crítica: "entrei de cabeça quente, fui punido e deu para aprender a lição".Desfalques - Geninho não vê vantagem em enfrentar um time desfalcado como a Portuguesa. "Isso não existe mais no futebol, pois ninguém trabalha mais com um time de onze titulares e reservas e todos têm bom jogadores para a reposição". Citou o próprio Santos: "os atletas que estão sendo chamados cumprem bem a função e o time tem mantido sua qualidade, como se pode ver nas últimas partidas em que foram feitas adaptações".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.