Douglas Defelice/USA Today Sports
Douglas Defelice/USA Today Sports

Em protesto racial, MLS só tem um jogo disputado na noite de quarta nos EUA

Confronto entre Orlando City e Nashville também teve manifestações contra o racismo

Redação, Estadão Conteúdo

27 de agosto de 2020 | 08h04

Os jogadores da MLS boicotaram cinco partidas na noite de quarta-feira em um ato coletivo contra a injustiça racial nos Estados Unidos. A paralisação veio depois que todos os três compromissos dos playoffs da NBA foram cancelados em um protesto pela ação policial em que Jacob Blake foi baleado pelas costas em Wisconsin, na noite de domingo. Negro, ele foi atingido por um policial sete vezes.

Os jogadores envolvidos nas partidas Atlanta United x Inter Miami, FC Dallas x Colorado Rapids, Portland Timbers x San Jose Earthquakes, Real Salt Lake x Los Angeles FC e Los Angeles Galaxy x Seattle Sounders decidiram não jogar em solidariedade. A única partida disputada foi entre Orlando City e Nashville SC.

"Tomamos uma decisão juntos como jogadores e equipes para não jogar o nosso jogo esta noite porque há mais coisas importantes acontecendo em nosso país do que distrair nossas mentes com o futebol. Esta é a primeira vez em que posso concordar com o ditado 'É apenas um jogo'", publicou Kei Kamara, atacante do Colorado, nas redes sociais.

O Atlanta United divulgou comunicado antes da partida contra o Inter Miami, que deveria ser realizada em Fort Lauderdale, na Flórida. Os atletas se reuniram no campo antes da partida, de mãos dadas. "Somos solidários com a comunidade negra, com nossos jogadores, nossa cidade e nossos fãs na luta contra a injustiça", informa o comunicado. "Devemos usar nossas vozes para ser a mudança."

Os Timbers também divulgaram uma nota oficial. "O Portland Timbers apoia nossos jogadores e sua decisão de não jogar esta noite. A injustiça racial e a brutalidade policial contra os negros em nosso país devem acabar agora." Após a vitória de sua equipe por 3 a 1 sobre o Nashville, o meio-campista do Orlando City Nani disse que sabia do boicote aos outros confrontos. Ele foi o único jogador da sua equipe a se ajoelhar durante a execução do hino dos Estados Unidos.

"Nós não sabíamos. Nós entendemos e respeitamos o que está acontecendo e o que outras equipes fizeram. Esta é uma situação que devemos estar juntos a partir de hoje para tentar fazer o nosso melhor para ver o que podemos ajudar e como podemos apoiar e dar suporte", disse.

No início do dia, a Major League Soccer emitiu um comunicado sobre os tiros da polícia em Kenosha. "A MLS condena inequivocamente o racismo e sempre defendeu a igualdade, mas nós precisamos fazer mais para dar passos tangíveis para impactar a mudança. Nós continuaremos a trabalhar com nossos jogadores, nossos clubes e a comunidade do futebol em geral para aproveitar nosso poder coletivo de lutar por igualdade e justiça social." Dois jogos da MLB e todos os três da WNBA também foram cancelados, além das partidas de tênis em Nova York.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.