David Vincent/AP
David Vincent/AP

Em recuperação física, seleção da França faz treino leve e descontraído

Elenco se prepara para a final da Copa do Mundo diante da Croácia, neste domingo às 12h (de Brasília)

Gonçalo Junior, enviado especial / Moscou, O Estado de S.Paulo

12 Julho 2018 | 13h22

Os titulares da França ainda estão em processo de recuperação física depois da vitória sobre a Bélgica que classificou o time para a final da Copa do Mundo da Rússia, no domingo, diante da Croácia, em Moscou. E o clima foi de bastante descontração na atividade desta quinta-feira, com brincadeiras entre os jogadores. Também foi um treino de recuperação mental e emocional.

+ Pogba lembra decepção na Euro de 2016 e descarta favoritismo francês na final

+ Imprensa croata pede que Modric seja eleito o melhor da Copa e ironiza Inglaterra

+ Jogadores da Croácia dizem que foram subestimados pela imprensa inglesa

Nesta quinta, no centro de treinamento de Istra, nos arredores de Moscou, os principais jogadores fizeram exercícios ao lado dos fisioterapeutas. O goleiro Lloris e o meia Matuidi correram durante alguns minutos acompanhados de preparadores físicos. Alguns não apareceram no gramado, como o atacante Giroud, os zagueiros Varane e Umtiti e o lateral Pavard.

Sem chuteiras, Mbappé estava até com celular na mão. Pogba e Griezmann, também usando tênis, protagonizaram momentos divertidos, sempre tentando um lance de efeito para driblar os companheiros. Os reservas fizeram um treinamento pesado com trabalhos específicos de passe e controle de bola. No final, um confronto em campo reduzido.

Teoricamente, a França apresenta condições físicas melhores que os croatas. Além de terem um dia a mais de recuperação até o dia da final, a França não precisou de prorrogações para superar seus rivais. Os croatas disputaram três tempos extras, o que significa que jogaram uma partida a mais que os franceses em minutos em campo.

 

Mais cedo, o meia Paul Pogba afirmou, em entrevista coletiva, que os franceses querem evitar o "clima de já ganhou". "Nós não somos favoritos. É uma final", disse nesta quinta o meia Paul Pogba, um dos principais jogadores do time. A equipe tenta a todo custo evitar a repetição do cenário da Eurocopa de 2016, quando o time perdeu o título em casa para Portugal.

"Na Euro, nós pensávamos que tínhamos conquistado o título depois da vitória em cima da Alemanha (na semifinal). Pensamos que Portugal estava derrotado antes. Dessa vez, estamos todos concentrados em não cometer o mesmo erro. Estamos felizes por nossa campanha, mas ainda não ganhamos a Copa do Mundo", disse o jogador, que completou. "Vamos lidar de forma diferente nesta partida. Não vai faltar nada, nem raça."

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.