Reprodução/ Twitter
Reprodução/ Twitter

Em recuperação, Prass acompanha treino e é tietado por torcedores no Palmeiras

Goleiro se machucou em preparação para Olimpíadas e deve perder resto da temporada

Ciro Campos, Estadão Conteúdo

24 Agosto 2016 | 17h51

O goleiro Fernando Prass, do Palmeiras, apareceu em um dos campos da Academia do Futebol na tarde desta quarta-feira e chamou mais a atenção do que a atividade no gramado. Em recuperação de uma cirurgia no cotovelo direito, o jogador viu de perto o trabalho no campo dos companheiros do time e, na saída, foi bastante procurado por torcedores que estavam no alambrado para observar o treino.

Prass passou por uma cirurgia há três semanas para corrigir o problema no cotovelo que o tirou da seleção olímpica. O goleiro iniciou o trabalho de academia e de fisioterapia nesta semana e tem a previsão de voltar a atuar pelo Palmeiras, na melhor das hipóteses, apenas no fim da temporada. O jogador tem uma grande cicatriz no lugar operado, mas não teve problemas em autografar com a mãe direita as camisas dos torcedores.

Os palmeirenses formaram fila para tirar foto com o goleiro. Prass atendeu a um grupo, depois seguiu para a área interna da Academia de Futebol, onde retomou os trabalhos de recuperação da lesão. O substituto dele na equipe tem sido Jailson, que novamente deve defender o Palmeiras na partida do próximo domingo, contra o Fluminense, em Brasília, pelo Campeonato Brasileiro.

No treino da tarde desta quarta-feira o técnico Cuca fez um trabalho em campo reduzido, com dois times e quatro gols. O objetivo era promover a movimentação e o posicionamento das linhas defensivas. A atividade não deu pistas de quem será o substituto do volante Thiago Santos, que está suspenso pelo terceiro cartão amarelo e não enfrenta o Fluminense.

Durante o trabalho o meia Zé Roberto, que se recupera de dores musculares, foi ao gramado para iniciar nova etapa da recuperação. O jogador de 42 anos fez exercícios físicos e no aquecimento, fez trabalho com bola.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.