Ali Haider/EFE
Ali Haider/EFE

Em repetição da final de 2016, Real e Kashima disputam semi nos Emirados Árabes

Técnico da equipe espanhola garante foco na busca por mais um título do Mundial de Clubes

Redação, Estadão Conteúdo

19 de dezembro de 2018 | 07h06

Uma final do Mundial de Clubes da Fifa poderá ter uma revanche na edição deste ano. Nesta quarta-feira, às 14h30 (de Brasília), no Zayed Sports City Stadium, em Abu Dabi, nos Emirados Árabes Unidos, Real Madrid e Kashima Antlers reeditam pelas semifinais o duelo decisivo de 2016, no qual o clube espanhol sofreu para vencer por 4 a 2, após empate por 2 a 2 no tempo normal.

O técnico Santiago Solari garantiu um Real Madrid totalmente focado na busca por mais um título do Mundial de Clubes. Na véspera da estreia no torneio, o treinador espanhol exaltou a importância de mais uma conquista, que seria sua primeira no comando da equipe.

"Damos máxima importância (ao Mundial) porque para chegar aqui é preciso fazer um caminho muito grande. O Real teve que ganhar a Liga dos Campeões e este grupo de jogadores conseguiu. É um feito extraordinário. Temos que agradecer e vamos tentar revalidar o título", declarou nesta terça-feira.

O Real Madrid vem de dois títulos mundiais consecutivos e luta para ser o primeiro tricampeão. Apesar disso, o próprio Solari admitiu que os europeus tendem a diminuir a importância do torneio, principalmente em relação aos sul-americanos. Por ser argentino, porém, o treinador destacou a motivação por disputar a competição.

"Dar um valor menor ao Mundial é um ponto de vista europeu. Mas sou um fiel seguidor deste torneio e sempre gostei dele, desde pequeno. Quando tinha 13, 14 anos e ele era jogado em Tóquio, escapava do colégio para vê-lo. Não subestimaria nenhum rival e espero que desfrutemos, porque é uma competição preciosa", avaliou.

No lado japonês

A memória da final de 2016 ainda está fresca para o Kashima Antlers. Há dois anos, no Japão, o time passou pelo Atlético Nacional, da Colômbia, nas semifinais, e deu muito trabalho ao Real Madrid na decisão no estádio Internacional, em Yokohama. E é justamente esta atuação que dá confiança aos japoneses para o duelo pela semifinal.

"Na última vez no Japão, na final de 2016, nós geramos um grande impacto em muitas pessoas. Por isso, realmente queremos muito vencer o Real Madrid. Este é o nosso pensamento", disse o técnico Go Oiwa, que há dois anos era assistente de Masatada Ishii, em entrevista coletiva nesta terça-feira antes do último treino do Kashima Antlers antes da partida.

"Sim, nós perdemos. Foi decepcionante, mas agora nós temos outra chance. Nós ganhamos esta oportunidade e estamos muito satisfeitos. Esta partida atrairá muita atenção", completou o treinador japonês.

No atual elenco do Kashima Antlers, seis jogadores estiveram naquela decisão de 2016. O meia Shoma Doi alerta para que não haja falta de concentração nesta quarta-feira, que foi fatal há dois anos. "Nós sabemos que se tivermos qualquer falta de concentração, eles (Real Madrid) vão nos punir. Isso nós aprendemos de 2016. Não daremos essa chance novamente", afirmou.

Para chegar às semifinais, o Kashima Antlers, atual campeão da Liga dos Campeões da Ásia, derrotou o Chivas Guadalajara, do México, por 3 a 2, no último sábado, pelas quartas de final.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.