FELIPE RAU / ESTADÃO
FELIPE RAU / ESTADÃO

Em resposta ao Palmeiras, FPF deixará de utilizar camarote no Allianz Parque

Relações entre clube e Federação estão estremecidas por conta da polêmica envolvendo a final do campeonato

Renan Cacioli, O Estado de S. Paulo

13 de abril de 2018 | 19h32

A FPF (Federação Paulista de Futebol) resolveu contra-atacar e mostrar ao Palmeiras que o rompimento de relações diplomáticas, anunciado oficialmente pelo presidente do clube na última segunda-feira, é bilateral. A primeira medida, segundo apurou o Estado, será a entidade deixar de utilizar o camarote que tem à disposição no Allianz Parque.

+ Se Palmeiras provar interferência, dérbi será anulado, diz procurador do TJD

+ Roger diz ter esquecido o Paulista: 'Nem sabia que ia ter julgamento'

+ Deputado propõe lei que obriga árbitros de futebol a revelarem time do coração

A medida foi determinada diretamente pelo presidente da Federação, Reinaldo Carneiro Bastos. O espaço era utilizado para eventos corporativos promovidos pela entidade e pelo próprio mandatário quando ia acompanhar as partidas na arena.

A FPF não precisava pagar ao Palmeiras ou à WTorre, gestora do Allianz, nenhuma espécie de taxa fixa de manutenção. Apenas se quisesse realizar benfeitorias dentro do camarote, como instalar uma TV mais moderna, por exemplo, aí sim o custo ficava a seu cargo.

Durante a semana, a ordem dentro da Federação era de se manter em silêncio, mesmo diante das seguidas manifestações palmeirenses levantando suspeitas quanto à lisura da arbitragem na decisão do Campeonato Paulista, perdida para o Corinthians

O clube alviverde solicitou ao TJD-SP (Tribunal de Justiça Desportiva de São Paulo) que abrisse inquérito para apurar se a equipe comandada pelo árbitro Marcelo Aparecido Ribeiro de Souza recebeu ou não orientação externa para mudar a marcação de uma jogada – pênalti de Ralf em Dudu, inicialmente apontado pelo árbitro e cancelado depois de mais de sete minutos de paralisação.

O tribunal acatou o pedido e começará a colher depoimentos na terça que vem. Até o dia 23, terá de apresentar ou não denúncia baseado na investigação das provas. Na última quinta-feira, o procurador-geral do TJD, Wilson Marqueti Júnior, confirmou ao Estado que, se o Palmeiras conseguir provar a interferência externa, o resultado do dérbi será anulado. 

O alvo principal da acusão palmeirense é o diretor de arbitragem da FPF, Dionísio Roberto Domingos. É ele a quem o clube acusa de ter orientado a equipe de arbitragem para mudar a marcação da jogada.

Até para evitar mais atritos e não alimentar a polêmica, a Federação se limitara a emitir nota negando a influência de seu diretor, rebatida imediatamente pelo Palmeiras, que questionou se a entidade teria coragem de buscar a verdade dos fatos ou estaria buscando alternativas para colocar panos quentes na situação.

O tom mais pesado da diretoria palmeirense não caiu nada bem na cúpula da FPF. A medida de Reinaldo Carneiro Bastos indica que a batalha entre os dois lados pode estar apenas começando.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.