Em ritmo lento, Corinthians vence o Oeste pelo Paulistão 2010

Equipe sentiu o começo de temporada, mas Paulo André e Boquita garantiram o 2 a 1 na Fonte Luminosa

André Avelar - estadao.com.br,

24 de janeiro de 2010 | 18h55

Se o ataque não funcionou, o zagueiro Paulo André e o meio-campo Boquita resolveram para o Corinthians. Sem ritmo de jogo, o time teve trabalho para vencer o Oeste por 2 a 1, pela terceira rodada do Campeonato Paulista. Ricardinho diminuiu para o time de Itápolis, que mandou a partida deste sábado em Araraquara, na reformada Fonte Luminosa.

Veja também:

linkMano Menezes exalta boa atuação de Defederico

especialQUIZ - Você sabe tudo sobre o Paulistão?

lista RESULTADOS / tabelaCLASSIFICAÇÃO

Com o resultado, o time de Mano Menezes subiu para a terceira colocação, com os mesmos sete pontos do líder São Caetano. Enquanto isso, o Oeste segue sem vencer na competição e ocupa a incômoda 18.ª posição, com apenas um ponto.

 

Sem Ronaldo e Jorge Henrique, poupados neste início de temporada, a equipe bem que criava, mas tinha dificuldades para chutar em gol. Souza e Bill ocupavam o mesmo espaço e o ataque esteve preso, longe do futebol envolvente apresentado principalmente no primeiro semestre de 2009.

 

Ainda sem o entrosamento que se espera de um time centenário, o Corinthians começou a partida sem lá muita vontade. A exceção era justamente Roberto Carlos, a principal contratação para o que a torcida espera ser um ano de festa. O experiente lateral-esquerdo abriu o repertório de jogadas de efeito, lançamentos precisos e apoio ao ataque. Além disso, quando exigido, fez a cobertura ao sistema defensivo. Tanta vontade o fez cansar na etapa complementar.

 

Diante da lentidão dos demais jogadores corintianos, o Oeste começou a sair para o ataque, ainda que sem grandes lances de perigo. Na primeira oportunidade, Ricardo Bueno subiu mais que a zaga e a bola passou perto. Logo em seguida, Bruno chutou fraquinho, sem dificuldade para o goleiro Felipe, que pegou no pé da defesa.

 

TRÊS GOLS EM NOVE MINUTOS

 OESTE 1
Mauro; Dionísio, Adriano, Rogério, Fernandinho; Kleber, Rivaldo    , Alê     (André Luiz), Bruno Campos (Mazinho); Ricardo Bueno (Guto) e Ricardinho
Técnico: Paulo Comelli
 CORINTHIANS 2
Felipe; Balbuena (Jucilei), Chicão, Paulo André, Roberto Carlos; Ralf    , Edu (Tcheco), Boquita, Defederico; Souza e Bill (Morais)
Técnico: Mano Menezes
Gols: Paulo André, aos 27, Boquita aos 35 e Ricardinho aos 36 minutos do primeiro tempo

Árbitro: Fábio de Jesus Volpato Mendes

Estádio: Fonte Luminosa, em Araquara (SP)

E a bronca de Felipe surtiu efeito. Aos 27 minutos, depois da cobrança de escanteio, Bill chutou errado, mas Paulo André tratou de consertar tudo e desviar para o fundo do gol. A partida, que então já parecia tranquila, renovou em ares de facilidade quando aos 35 minutos, Defederico encontrou Boquita. O meia apareceu sem marcação e só teve o trabalho de tirar do goleiro Mauro para ampliar o placar.

"O professor [Mano Menezes] sabe o que faz e vamos fazer de tudo para estar nesse grupo dos 25 jogadores [que disputam a Copa Libertadores]. Comecei bem", disse Boquita, que fez apenas seu terceiro gol pelo profissional.

O Corinthians ainda comemorava quando na saída de bola, Fernandinho cruzou para Ricardinho, de novo entre os dois zagueiros, cabecear e diminuir a diferença. A partir daí, a bateria dos dois times minguou e o árbitro apitou o final do primeiro tempo.

 

A apatia do ataque irritou o técnico Mano Menezes. Na volta para o intervalo, Morais entrou no lugar de Bill, mas o meia também custou a aproveitar a nova chance que teve. Enquanto isso, Defederico continuava a entortar os zagueiros pelos lados do campo, concluindo mal em gol.

 

LIVROU A CARA

Um lance inusitado ia complicando Felipe, que claramente sentiu a falta de ritmo de partida ao errar em pelo menos duas saídas de bola. Fernandinho cruzou para área, a bola fez uma curva inesperada e caiu atrás do goleiro corintiano. O árbitro invalidou o lance, marcando impedimento do lateral-esquerdo. O lance ainda deu mais moral para a equipe de Itápolis, que partiu desorientadamente para cima dos visitantes.

 

Vaiado contra o Bragantino, Tcheco dessa vez começou a dar as cartas no meio-campo. No primeiro lance, ele deixou Souza na cara do gol. O atacante de novo não aproveitou. "A partir da sexta rodada teremos um padrão de jogo, um ritmo melhor e do jeito que todos esperam. Rodada após rodada vai diminuindo esse revezamento [de jogadores]", disse Tcheco.

A torcida agora pareceu ter gostado do desempenho do time e a todo momento incentivava, mas no final faltaram pernas aos jogadores. Eles não tinham mais condições físicas de ir para o ataque e apenas esperaran o final do jogo.

 

Pela quarta rodada, o Corinthians recebe o Mirassol no Pacaembu. Já o Oeste vai atrás da primeira vitória, no ABC, contra o Santo André.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.