Phil Noble / Reuters
Phil Noble / Reuters

Na Itália, Roma e Liverpool definem o segundo finalista da Liga dos Campeões

Time italiano tenta novo milagre, enquanto ingleses procuram segurar vantagem de três gols mais uma vez

Estadão Conteúdo

02 Maio 2018 | 06h06

O segundo finalista da Liga dos Campeões da Europa será conhecido nesta quarta-feira. Às 15h45 (de Brasília), Roma e Liverpool duelarão no estádio Olímpico, em Roma, e a vantagem está com o clube inglês, que na Inglaterra, na semana passada, venceu por 5 a 2. A decisão do torneio será no próximo dia 26, no estádio Olímpico de Kiev, na Ucrânia.

+ 'Se você não sofrer, não vai ganhar uma competição como a Liga', diz Zidane

+ Heynckes lamenta 'apagão' de goleiro, mas exalta Bayern; jogadores reclamam

O técnico Eusebio Di Francesco admitiu nesta terça-feira que o atacante Mohamed Salah preocupa a Roma, mas avisou que não mudará a equipe italiana por causa do atacante do Liverpool. "Não podemos mudar uma parte do time só por causa de um jogador. Mesmo que ele tenha sido decisivo no primeiro jogo. Não podemos colocar a equipe inteira focada em Salah", descartou o treinador. "Não vou colocar três marcadores nele. Isso está fora de questão porque precisamos espalhar a nossa energia por todo o campo".

Apesar disso, Eusébio Di Francesco reconheceu que o jogador egípcio inspira preocupação, principalmente depois dos dois gols e das duas assistências na goleada do Liverpool, no jogo de ida, na semana passada. "Tudo o que posso dizer é que ele é incrivelmente habilidoso quando se move verticalmente, em direção ao gol, e teremos que ser melhores ao lermos algumas situações de jogo", advertiu o técnico. Salah é um dos artilheiros da temporada, com 43 gols em 48 jogos até agora.

Para o meia belga Radja Nainggolan, a Roma deverá ter atenção redobrada para evitar novas surpresas em campo - na ida, o Liverpool chegou a abrir 5 a 0, em casa. "Se você perder o foco por uns poucos segundos num jogo como esse, você será punido", afirmou o jogador. "Precisaremos estar totalmente focados por 95 minutos e dar tudo de nós: esse é o único jeito de conseguirmos dar uma virada neste confronto".

Contra o Liverpool, a Roma tentará um novo "milagre" nesta Liga dos Campeões. O primeiro foi reverter a derrota por 4 a 1 para o Barcelona fora de casa. Na volta, conseguiu vencer por 3 a 0, diante de sua torcida, garantindo a classificação. Um novo 3 a 0 nesta quarta-feira levará os italianos à grande final da competição.

LIVERPOOL

Sensação desta temporada na Europa, o Liverpool impressiona pelas atuações que levaram o time às semifinais da Liga dos Campeões. Nesta quarta-feira, o time inglês enfrenta a Roma pelo jogo de volta na Itália. O técnico alemão Jürgen Klopp, principal responsável pelo futebol ofensivo que fez vítimas como o Manchester City - tem o melhor ataque do torneio com 44 gols em 13 jogos -, garante que não há nada decidido, mas crê que seus comandados já fizeram história.

"Quanto mais perto (da decisão) você fica, mais empolgante é, mas não há nada decidido", garantiu. "Agora parece que podemos ter a oportunidade de sonhar grande mas já fizemos história. Ganhar de 5 a 0 do Porto é fazer história", disse o treinador alemão. "Estamos aqui porque levamos o jogo a jogo com 100% de foco - e é isso que vamos tentar fazer novamente. Então vamos ver o que acontece", completou.

A vantagem construída no estádio Anfield Road com gols de Salah, Roberto Firmino e Mané deixa o time inglês perto de voltar a uma final de Liga dos Campeões 11 anos depois. Em 2007, foi derrotado por 2 a 1 para o Milan e ficou com o vice-campeonato. A última conquista foi em 2005, quando derrotou justamente o Milan nos pênaltis após sair perdendo por 3 a 0 no primeiro tempo e conseguir o empate na etapa final.

Desta vez, apesar de pedir pés no chão para os jogadores, Jürgen Klopp se mostrou confiante e diz estar satisfeito e orgulhoso da campanha da equipe até esta fase da competição que, segundo ele, acabou ajudando no desenvolvimento do próprio time. "Até agora, tem sido uma campanha muito emocionante, uma jornada realmente empolgante e estou absolutamente feliz com isso. As performances foram brilhantes. Isso sempre leva você a essa situação em que o próximo jogo é o mais importante", destacou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.