Em situação difícil, Santos encara o líder Atlético-MG

O pior Santos desde quando Luis Alvaro de Oliveira assumiu a presidência, há dois anos e meio, enfrenta o Atlético Mineiro, o melhor time do Campeonato Brasileiro, nesta quinta-feira, às 21 horas, no estádio Independência, em Belo Horizonte, pela 12.ª rodada. Desfalcado do seu principal astro, Neymar (está na seleção olímpica) e desfigurado pelo desmanche promovido pela diretoria após a queda na Copa Libertadores, além de perdas por contusões, a equipe precisa desesperadamente ganhar para não correr o risco de entrar na zona de rebaixamento. Com apenas sete gols, o ataque santista é o pior da competição.

SANCHES FILHO, Agência Estado

26 de julho de 2012 | 06h50

"Com certeza o perigo de o time entrar para o grupo de rebaixamento preocupa. No centenário do clube ninguém quer passar por isso", disse o zagueiro David Braz, após o treino desta quarta. Ele é o mais cotado para substituir Durval (cumprirá suspensão pelo terceiro cartão amarelo) e formar a dupla de zaga com outro reserva, Bruno Rodrigo, que se tornou titular em razão da cirurgia de joelho do capitão Edu Dracena. "Em 2009 eu vivi isso com o Flamengo. A gente estava lá embaixo, mas no segundo turno recuperamos os pontos perdidos e chegamos até o titulo com os vacilos dos adversários".

David Braz chegou ao Santos com o lateral-direito Galhardo em uma troca por Ibson e logo na estreia, diante do Bahia, em Salvador, sofreu distensão muscular. Depois de duas semanas de treinamentos, ele se sente bem. "Estou preparado e zerado da lesão. Se eu tiver essa oportunidade, espero fazer da melhor maneira meu trabalho".

A outra opção de Muricy Ramalho para a posição é Ewerton Páscoa, ex-Guarani, volante que também atua na zaga. Mas como David Braz é mais experiente, além de ter sido companheiro de Ronaldinho Gaúcho e saber como parar o novo ídolo do Atlético, deve ser o escolhido. "Quando eu estava lá, tinha de enfrentar Neymar. Agora tenho de enfrentar Ronaldinho. É a nossa vida", disse o zagueiro. O seu conselho para neutralizar o meia é a marcação curta. "Se deixar pensar, ele desequilibra, como já fez na Vila contra o Santos. Temos de estar atentos não só com Ronaldinho, mas também com Danilinho, Guilherme, Jô e Bernard".

Outra novidade poderá ser Bill, que passou a ser oficialmente jogador do Santos na última segunda, embora já treinasse em horários alternativos no CT Rei Pelé há mais de 20 dias. Como Muricy Ramalho não orientou treinamento coletivo ou técnico para pelo menos posicionar os jogadores no campo e nem deu entrevista nesta semana, não é certeza que o ex-corintiano comece como titular no jogo desta quinta. Se ele não jogar, Dimba, que não finalizou nenhuma vez nos últimos três jogos, continua com a camisa 9, com Miralles atuando como segundo atacante.

O armador Patrício Juán Rodríguez nem viajou com a delegação para Minas Gerais porque ainda depende de documentos a serem enviados pelo seu ex-clube, o Independiente, da Argentina, para ter a situação regularizada. O mais novo reforço santista não participou do treino de dois toques desta quarta porque sofreu um pisão no pé direito na sua primeira atividade com bola no novo clube, na terça.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolBrasileirãoSantos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.