Manan Vatsyayana/AFP
Manan Vatsyayana/AFP

Em tom de adeus, Miranda diz que os jovens desta seleção ainda trarão o hexa

Capitão do Brasil na derrota para a Bélgica admite deixar a Copa 'com muita tristeza'

Estadao Conteudo

06 Julho 2018 | 17h46

O zagueiro Miranda falou em tom de despedida da seleção brasileira. Capitão na eliminação diante da Bélgica e mais velho jogador entre os 23 convocados, o atleta de 33 anos disse que "deixa a Copa do Mundo com muita tristeza".

+ Brasil tem apagão no primeiro tempo, para na Bélgica e é eliminado da Copa

+ TEMPO REAL: Brasil 1 x 2 Bélgica

+ Saiba quais são os jogos e horários das semifinais da Copa do Mundo

Mas acredita que os jovens jogadores que fizeram parte desse elenco ainda trarão o hexa para o Brasil no próximo Mundial. "Já falei isso para eles. São jovens, têm grande talento e seguramente vão ganhar. A gente fez o que tinha que fazer, mas futebol é isso. Um tem que sair vitorioso", afirmou Miranda.

O Brasil perdeu por 2 a 1 para a Bélgica nesta sexta-feira, em Kazan, e deixou a Copa nas quartas de final. Os belgas avançaram e agora terão pela frente a França, a equipe com a menor média de idade do Mundial (25,5 anos) - o duelo acontece na próxima terça-feira, às 15h (de Brasília)

Ao citar os jovens brasileiros, Miranda se refere especialmente ao setor ofensivo da equipe brasileira. Gabriel Jesus tem 21 anos. Neymar, Philippe Coutinho e Roberto Firmino, ambos têm 26 anos. Douglas Costa tem 27 e William, 29. Na teoria, todos eles podem estar na Copa do Mundo do Catar, em 2022.

 

"Deixamos a Copa de cabeça erguida porque demos o nosso máximo. Infelizmente não é o que a gente queria. Tentamos até o final. Eles aproveitaram as duas oportunidades que tiveram. Temos que dar os parabéns. Mas o que fica desse Mundial é um grupo batalhador e jovem, que tem condições ainda de ser campeão", finalizou Miranda.

Um atleta do setor defensivo que tem condições de estar em 2022 é o goleiro Alisson. O jogador está com 25 anos e disputou na Rússia sua primeira Copa do Mundo. Na saída do gramado, Alisson analisou sua participação no torneio.

"Acabei trabalhando pouco. Foram poucas defesas. Não foram tantas finalizações do adversário até pela força da nossa defesa. Esperava um resultado melhor, mas tem que aceitar como as coisas aconteceram. O que tinha pra fazer, fizemos. Agora é aprender com os erros, que acho que foram poucos. Tivemos altos e baixos, mas no geral, acho que o saldo é positivo", afirmou.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.