Felipe Rau/ Estadão
Felipe Rau/ Estadão

Em tom de despedida, Luis Fabiano desabafa no São Paulo

Atacante não entende demora para resolver futuro

CIRO CAMPOS, Estadão Conteúdo

25 de junho de 2015 | 18h33

Luis Fabiano concedeu entrevista coletiva nesta quinta-feira praticamente em tom de despedida no São Paulo. O atacante, que tem contrato até o fim do ano, lamentou a falta de diálogo com a diretoria para renovar, disse que não gostaria de se transferir para um time rival e afirmou que a maior motivação para o restante da temporada é conseguir fechar essa passagem pelo clube com algum título.

O jogador mostrou estar frustrado pela demora em definir o seu futuro e demonstrou não entender o motivo do impasse. "Não acho que seja pelo meu rendimento. Não estou tão mal assim. Tenho ajudado em todas as partidas. Não sei o que passa na cabeça da diretoria, mas também não estou preocupado. Não vou forçar. As coisas têm que acontecer quando todo mundo está feliz", disse o atacante.

Revelado pela Ponte Preta, Luis Fabiano tem 206 gols e é o terceiro maior artilheiro da história do São Paulo, mas convive com críticas por parte da torcida pela falta da conquista de títulos importantes. "Não tenho grandes títulos, mas conquistei Sul-Americana e Rio-São Paulo. A maior parte da minha carreira me dediquei ao São Paulo. Gostaria de terminar da melhor maneira possível, erguendo uma taça", comentou. Pelo restante da temporada, o time disputa o Campeonato Brasileiro e a Copa do Brasil.

Fora a motivação em se consagrar pelo clube, o atacante admitiu que boas atuações também podem ser úteis para a sua carreira fora do São Paulo. "Quero fazer o melhor até o fim do ano, nas melhores condições possíveis. Isso pode me ajudar em negociações futuras. Ainda não é o momento para encontrar outros clubes. Depois de dezembro vai aparecer outra coisa. Se não, vou ficar desempregado", afirmou.

Luis Fabiano descreve a sua relação com a torcida como um "casamento" repleto de amor e ódio. O talento de goleador contrasta com algumas vaias e críticas pesadas, como em maio, quando perdeu um pênalti na eliminação para o Cruzeiro, pelas oitavas de final da Copa Libertadores, e ao desembarcar em São Paulo na volta do jogo, quando foi xingado.

"Sempre que acontece alguma coisa o culpado é o Luis Fabiano. De 180 minutos do jogo com o Cruzeiro eu joguei 20 e fui considerado o culpado", lamentou. Antes de terminar a resposta, o atacante ainda avisou: "Para os que me xingam, tenham paciência, porque faltam só seis meses".

O jogador também já projetou como gostaria que fosse a sua despedida do São Paulo. O atacante relembrou que no retorno ao clube, em 2011, foi apresentado à torcida no Morumbi e o ideal seria ter uma celebração tão calorosa quanto no adeus.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.