Daniel dal Zennaro|EFE
Daniel dal Zennaro|EFE

Em tom de despedida, Simeone diz que 'vai pensar' sobre permanência

Abatido, técnico não garante que fica no Atlético de Madrid

Estadão Conteúdo

28 de maio de 2016 | 21h05

A derrota nos pênaltis para o arquirrival Real Madrid, após empate por 1 a 1 no tempo regulamentar e na prorrogação, pode ter sido o último jogo do técnico Diego Simeone no comando do Atlético de Madrid. Após a partida deste sábado, que valeu o título da Liga dos Campeões da Europa no estádio San Siro, em Milão, o argentino falou em tom de despedida que precisa pensar sobre o seu futuro.

"É o momento de pensar. O que vou dizer aos torcedores? Que a única maneira de seguir insistindo é trabalhando. Mas é um momento de pensar de minha parte", comentou Diego Simeone em entrevista coletiva após a derrota.

Embora tenha contrato até o dia 30 de junho de 2020, Simeone acredita que perder um título como o da Liga dos Campeões marca a carreira. "Repito mais uma vez que preciso tirar um tempo para repensar minha carreira. É uma coisa lógica depois de uma derrota como esta."

Abatido com a derrota, o argentino mudou a postura para falar dos jogadores do Atlético de Madrid na campanha do vice-campeonato. "Estou orgulhoso dos meus atletas. Eles fizeram um esforço extraordinário novamente em uma Liga dos Campeões duríssima para o time. Eliminamos o Barcelona, o Bayern de Munique, saímos perdendo por 1 a 0 logo no início da final, desperdiçamos um pênalti e empatamos. Amo muito os jogadores e está claro que deram tudo o que podiam. O que fizeram Gabi, Koke, Godin... foi um esforço tremendo", afirmou.

Antes de se despedir, Simeone aproveitou para consolar os jogadores, que deixaram o gramado do San Siro desolados. Muitos dos atletas estavam inconsoláveis em seus prantos. "Tenho um grupo de futebolistas certamente muito fortes e comentava com eles em campo: 'não chorem porque deram tudo de si, fizeram um esforço enorme para chegar até aqui', o futebol também depende do destino e está claro que hoje o título não estava destinado para a gente", finalizou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.