Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Em um ano, seleção recupera prestígio internacional

Após troca de Dunga por Tite, Brasil deslancha nas Eliminatórias

Ciro Campos, O Estado de S.Paulo

25 de março de 2017 | 07h00

Em março de 2016, a seleção brasileira estava na sexta posição das Eliminatórias, via a vaga na Copa distante e penava com más atuações. Um ano depois, a situação mudou: sete vitórias seguidas, liderança com folga, vaga encaminhada e chance de fechar o torneio classificatório com a melhor campanha da história.

Os 30 pontos do Brasil, 21 deles ganhos sob o comando de Tite, deixam o time com a chance de superar a Argentina, dona da melhor campanha na história das Eliminatórias sob o atual regulamento, em vigor desde 1998. A Argentina somou 43 pontos em 2002, marca que será ultrapassada caso o Brasil vença os cinco últimos jogos ou igualada se ganhar quatro e empatar o outro.

A seleção brasileira já está bem perto de bater a sua melhor campanha, de 34 pontos, alcançada em 2006 e em 2010.

A classificação antecipada pode vir terça-feira, dependendo de combinação de resultados. “Eu não faço conta, me atenho ao desempenho do que a equipe produziu e mostrou em campo. Contra o Uruguai, fomos competitivos e leais, em um jogo bastante disputado”, diz Tite.

Tudo o que sabemos sobre:
SeleçãoBrasilTiteArgentinaUruguai

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.