Antonio Mafalda
Antonio Mafalda

Em um mês, Luciano supera outros atacantes do Corinthians

Somando seleção e clube, jogador tem 10 gols em sete jogos

O Estado de S. Paulo

17 Agosto 2015 | 07h00

Luciano, principal artilheiro do Corinthians nas últimas rodadas, se tornou rapidamente uma solução para o defeituoso ataque alvinegro. Com cinco gols nas últimas três partidas, o jovem atacante foi um dos destaques na arrancada que possibilitou o clube paulista assumir a liderança do Campeonato Brasileiro. Mas tão rápido quanto se tornou um candidato a ídolo da torcida, o jogador se tornará um problema para o técnico Tite. Com convocação para amistosos da seleção olímpica, Luciano irá ficar de fora dos embates contra Palmeiras, Fluminense e Grêmio, e seus substitutos estão longe de ter seus números recentes. 

Desde de que foi para o Pan-Americano, onde conquistou a medalha de bronze com a seleção brasileira, Luciano marcou 10 gols. Foram cinco no torneio no Canadá (em quatro jogos), onde foi artilheiro da equipe e agora cinco no nacional (em apenas três). Em pouco mais de um mês, o jogador superou a marca de seus rivais. Vágner Love, contratado para ser o substituto de Guerrero na equipe, tem apenas cinco gols em 30 jogos disputados. Stiven Mendoza, em 28 jogos, também tem apenas três gols. Romero tem 38 jogos e dois gols. 

Diante de tal situação, Tite não descarta a possibilidade do Corinthians pedir a liberação de Luciano da seleção olímpica. "Tudo é uma questão de conversa com o presidente Roberto de Andrade, com o Eduardo Ferreira e com Edu Gaspar. O que for melhor para o Corinthians, vou me manifestar. Tenho minha opinião, mas não o direito de me manifestar sem conversar com a diretoria", afirmou o técnico após a vitória sobre o Avaí.

Luciano tem uma carreira de altos e baixos no Corinthians. Quando chegou ao Parque São Jorge em 2014, vindo do Avaí, se destacou por marcar mais de um gol por jogo. Em sua segunda partida como titular fez dois gols contra o Linense pelo Campeonato Paulista. No mesmo ano, marcou três contra o Goiás. Caiu de produção e agora aparece como melhor substituto para Guerrero, hoje atacante do Flamengo. No ano passado, chegou a ser vice-artilheiro da equipe, atrás apenas do peruano.

"A primeira coisa que o Tite me falou na volta da Seleção foi para manter os pés no chão. Essa cobrança dele é muito boa", confirma Luciano.

DESFALQUE

Outro problema para Tite será o volante Elias. Ele está na lista de Dunga para defender a seleção principal, e perderá os mesmos jogos que Luciano.  Como possível substituto, o treinador deve optar por Ralf e adiantar Bruno Henrique para a posição. Serão mais dois jogos, contra Cruzeiro em casa e Chapecoense em Santa Catarina para a equipe ser testada antes das convocações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.