Márcio Cunha/Chapecoense
Márcio Cunha/Chapecoense

Em 'vaquinha', Chapecoense arrecada só 5% do proposto para 'honrar compromissos'

Clube fracassa em tentativa de angariar fundos e levanta só R$ 15 mil dos R$ 300 mil que tinha como meta

Redação, Estadão Conteúdo

11 de setembro de 2020 | 11h23

A Chapecoense, no último dia 13 de julho, criou uma "vaquinha virtual" para arrecadar dinheiro com o objetivo de "honrar os compromissos" do clube como o pagamento dos colaboradores, por causa da falta de receita diante da pandemia do novo coronavírus. A contribuição, porém, foi um fracasso, com a equipe de Chapecó (SC) tendo arrecadado apenas 5% do seu objetivo.

Com 195 doações, a Chapecoense levantou só R$ 15.225,00 dos R$ 300 mil propostos no início da campanha. Em todas as arrecadações, o interessado tinha direito a um prêmio. Mesmo assim, poucos se interessaram. Tanto é verdade que a média de doação foi de R$ 80.

"O valor mínimo para ajudar é de R$ 10, mas não há valor máximo para as doações. (...) Quem doar R$ 100, por exemplo, ganhará uma caneca personalizada da Chapecoense. Já os torcedores que ajudarem com a quantia de R$ 1.000, receberão uma camisa oficial e autografada e, por fim, torcedores que contribuírem com a quantia de R$ 1.500 ganharão um ano de associação ao time", dizia a nota oficial da Chapecoense.

Agora, o clube de Chapecó corre atrás de recursos para seguir honrando os compromissos. Em campo, enquanto isso, a boa fase voltou. A Chapecoense ocupa a terceira colocação da Série B do Campeonato Brasileiro com 16 pontos, um a menos do que a liderança e dois jogos a menos do que os rivais.

E, no Campeonato Catarinense, a Chapecoense abriu 2 a 0 no Brusque e poderá ser campeão neste domingo, fora de casa, até mesmo com derrota por um gol de diferença.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.