Embaixador quer desculpas de Desábato

O embaixador da Argentina no Brasil, Juan Pablo Lohlé, declarou nesta quinta-feira que o jogador Leandro Desábato, do Quilmes, deveria pedir desculpas ao artilheiro do São Paulo, Ednaldo Libânio, mais conhecido como Grafite. Porém, insistiu que a polícia brasileira deveria liberá-lo da prisão para que pudesse retornar a seu país. Lohlé passou toda a manhã desta quinta tratando do caso e chegou com 1h30 de atraso a seu compromisso previsto para as 11 horas, uma palestra do Instituto Rio Branco, órgão dedicado à formação de diplomatas brasileiros. Ao ser questionado pelos jornalistas, Lohlé tentou diminuir a ofensa de seu compatriota e argumentou que "negro" e "negrito" são termos usados carinhosamente em seu país e não contam com conotação pejorativa. Informado sobre as demais ofensas de Sábato a Libânio, o embaixador mostrou-se surpreso e disse que não sabia exatamente o que o jogador argentino havia dito ao brasileiro. Mesmo assim, insistiu que a Justiça brasileira deve considerar que a ofensa se deu "no calor de uma partida de futebol". "Em um jogo de futebol, todo mundo xinga todo mundo", afirmou.Notícias relacionadas ao caso: Câmara convida Grafite a debater o racismo Quilmes: delegação passou dia no hotel Desábato é um ilustre desconhecido Juiz determina fiança para Desábato Governo brasileiro condena ato racista Ibase encaminhará mensagens à Fifa Desábato é transferido de delegacia Alckmin condena racismo de Desábato Argentino é suspenso preventivamente Nicolás Leoz visita jogador argentino Grafite conseguiu o que queria?, diz Olé Quilmes acusa São Paulo de montar farsa Conmebol também investiga Desábato Enquete em jornal argentino vê racismo ?Atleta não demonstrou arrependimento? Delegação do Quilmes está retida em SP Jogador argentino está incomunicável Advogados tentam livrar jogador Desábato preso por racismo no Morumbi São Paulo vence Quilmes e lidera Grupo 3

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.