Marcos Brindicci / Reuters
Marcos Brindicci / Reuters

Embalados, River Plate e Al Ain definem primeiro finalista do Mundial de Clubes

No setor ofensivo da equipe argentina, Gallardo tem as opções de Scocco, Borré, Fernández e Quintero

Estadão Conteúdo

18 de dezembro de 2018 | 08h06

Empolgado pela vitória na final da Copa Libertadores contra o Boca Juniors, o River Plate vai iniciar a sua trajetória no Mundial de Clubes da Fifa a partir das 14h30 (de Brasília) desta terça-feira. O adversário será o atual campeão dos Emirados Árabes Unidos, o Al Ain, que aproveitou o fator casa para avançar duas fases no torneio e chegar às semifinais.

Apesar de ser visitante no duelo, o River Plate ainda conta com a motivação por ter superado o maior rival na grande decisão Copa Libertadores, no último dia 9. O time treinado pelo técnico Marcelo Gallardo ignorou a perda do mando de campo, em razão de pedras atiradas por torcedores ao ônibus do Boca Juniors, e ganhou o duelo disputado em Madri, no estádio Santiago Bernabéu, por 3 a 1 após a prorrogação.

Amplo favorito para o confronto, Gallardo fez questão de frear esta empolgação. "É preciso colocar as coisas no lugar e esta equipe sabe fazê-lo. Este grupo entende que além de obter uma conquista importante, é preciso fazer com que isso jogue positivamente. Temos que focar. Os primeiros dias foram de alegria, euforia, festas, mas quando chegamos aqui, começamos a focar no que vem com boas sensações. Se nos deixarmos levar pela euforia, podemos nos dar mal", declarou.

Ausente na decisão continental, Ignacio Scocco está recuperado de lesão na panturrilha e poderá voltar a jogar depois de um mês e meio inativo. Além do atacante, que deverá começar a partida no banco de reservas, Rafael Borré voltará a ficar disponível após cumprir suspensão contra o Boca Juniors, mas disputa posição com Ignacio Fernández e Juan Quintero.Os três jogadores oferecem possibilidades diferentes a Gallardo. Se escolhido, Borré faria dupla de ataque com Lucas Pratto, enquanto que Fernández deixaria o meio de campo mais equilibrado. Herói do título contra o Boca Juniors, Quintero pode fazer o papel de armador e tem o chute de fora de área como carro-chefe.

Se o River Plate está embalado, o Al Ain pode dizer o mesmo, já que conta com o apoio da torcida e passou por dois confrontos eliminatórios no Mundial. O time da casa sofreu na fase preliminar contra o Team Wellington, da Nova Zelândia, mas conseguiu empatar a partida depois de sofrer três gols e conquistou a vaga nos pênaltis. Nas quartas de final, triunfo sem dificuldade sobre o Espérance, da Tunísia, por 3 a 0.

O time que vai jogar a semifinal deve ser o mesmo que vem de vitória nas quartas de final. O destaque do time é meia-atacante Caio, ex-atleta das categorias de base do São Paulo, mas que começou carreira profissional no Kashima Antlers, do Japão.

"River é um time de elite com grande potencial, por isso devemos nos preocupar com eles. Devemos fazer um grande esforço se quisermos conseguir o resultado positivo. Se pudermos dar o nosso melhor, tenho certeza de que será uma grande partida", disse Caio. "Minha vontade é dar tudo que eu puder pelo time, seja com gols ou assistências. Neste momento, só penso em ajudar minha equipe a conseguir grandes resultados, é esse meu objetivo", completou.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.