Emerson Leão descarta 'mala roxa' do Corinthians

Técnico do Santos cutuca cor da nova camisa corintiana e diz que não recebeu ofertas para ganhar da Ponte

Sanches Filho, O Estado de S. Paulo

31 de março de 2008 | 15h20

O técnico Leão disse nesta segunda-feira que não crê na possibilidade de o Corinthians oferecer uma premiação (mala preta) para o Santos derrotar a Ponte Preta, domingo à tarde, na Vila Belmiro. Se os santistas venceram, o Corinthians fica com uma das vagas das semifinais do Campeonato Paulista desde que ganhe do Noroeste, em Bauru.   Veja também:  Quais times levam as duas últimas vagas das semifinais do Paulistão? Santos quer evitar novo tropeço diante do San José  Veja as chances de classificação e rebaixamento no Paulistão  TV Estadão: Análise da reta final do Campeonato Paulista   "Entre grandes clubes como Corinthians e Santos isso não acontece. Ontem [domingo] eu estava participando de um programa de televisão, vi uma entrevista do presidente do Corinthians [Andres Sanchez] e em nenhum momento ele tocou nesse assunto. E no caso do Corinthians, a mala seria roxa e não preta", brincou o treinador, numa alusão à cor da camisa que o time do Parque São Jorge prometia usar na partida diante do Marília, no domingo passado.   Leão também nega que o dirigente corintiano poderia antecipar o pagamento da dívida R$ 1,5 milhão com a esperança de ser beneficiado por ele, com a escalação da força máxima do Santos, domingo, contra a Ponte Preta. "O presidente não cuida disso. Meu advogado vem conversando com o jurídico do Corinthians e está tudo bem encaminhado. Agora é só uma questão de uma vírgula aqui ou ali. Eles reconheceram que devem e vão pagar", revelou o técnico.   Depois do treino desta segunda-feira, Leão repetiu que vai começar a pensar no jogo com a Ponte Preta apenas depois da partida desta terça-feira à noite, contra o San José, da Bolívia, na Vila Belmiro, pela Copa Libertadores da América.

Tudo o que sabemos sobre:
Paulistão A-1Santos FCCorinthians

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.