Emerson Leão rebate críticas do presidente do Santos

Marcelo Teixeira diz que técnico se preocupou mais em desfazer o trabalho de Luxa do que cuidar da equipe

Sanches Filho, O Estado de S. Paulo

22 de outubro de 2008 | 18h01

O técnico Leão, que está trabalhando no Al-Saad, do Catar, rebateu as declarações do presidente do Santos, Marcelo Teixeira, ao jornal A Tribuna, de Santos, culpando-o pelas dificuldades que o time vem enfrentando na temporada. O dirigente afirmou que o treinador se preocupou mais em desfazer em o trabalho do seu antecessor, Vanderlei Luxemburgo, do que em promover a reformulação da equipe. Veja também:  Brasileirão Série A - Classificação Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão "É estranho que o presidente levante tal conclusão tanto tempo depois do término da minha passagem pelo Santos; eu costumo dar por encerrado meu trabalho, inclusive com posteriores declarações, quando acaba o vínculo com o clube em que trabalho; gostaria que ele tivesse feito o mesmo, até porque nunca ouvi algo semelhante de sua boca enquanto estive por lá. Agora, estou apenas me defendendo de tais conclusões", afirmou Leão, por meio de sua assessoria de imprensa. Ele disse que tomou conhecimento das acusações pela internet. Logo depois de assumir o comando do time da Vila Belmiro, no começo do ano, Leão disse que tinha encontrado um "pasto devastado" e se queixou da falta das fichas dos jogadores, com informações sobre as condições físicas e dados do trabalho desenvolvido em 2007, e que a maioria dos aparelhos do CEPRAF - departamento de recuperação de atletas do CT Rei Pelé - havia desaparecido. "Lamento que o presidente Marcelo Teixeira tenha dado tais declarações comigo longe do Brasil; e estranho porque ele poderia ter dito isso olhando nos meus olhos se tivesse me recebido no dia em que fui discutir minha pendência contratual na Vila Belmiro. Ao contrário, designou uma pessoa do clube pra tratar comigo e com meu advogado, e ao final do encontro aconteceram os lamentáveis episódios de agressão que todos puderam ver", concluiu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.