Emerson reconhece má fase no Real e fala sobre polêmicas

O meio-campo Emerson afirmou nesta quinta-feira que sua forma física no Real Madrid não chega nem à metade do que já foi em outras equipes, e que isto vem atrapalhando na hora de mostrar seu melhor futebol."Não estou fazendo nem a metade do que fiz em outras equipes. Tenho que trabalhar mais forte para ajudar o Real. É uma experiência nova para mim, que tenho de superar. Nunca tinha vivido uma situação assim. Tenho de superá-la e trabalhar para voltar a ser o Emerson da Juventus", explicou o meia.Além disso, Emerson deu por encerrado o assunto sobre o suposto pacto feito com o técnico italiano Fabio Capello durante a partida contra o Bayern de Munique, pela Liga dos Campeões."Não houve acordo. O técnico decide quem joga. Sempre tive uma boa relação com ele. É uma decisão sua, que eu tenho de respeitar. Nunca me neguei a jogar. O assunto está encerrado", afirmou.Ao falar sobre as críticas feitas por alguns de seus companheiros de elenco após a partida contra o Bayern, que não gostaram de o jogador ter entrado no lugar de Guti, ele afirmou: "Se há um problema comigo, que me digam".Outro assunto esclarecido pelo ex-jogador de Grêmio e Juventus foi sua relação para a partida contra o Zaragoza mesmo estando machucado: "Muita gente acha que não tenho nada, mas não é assim. Quem melhor pode falar sobre isso são os médicos da equipe. Capello já reconheceu que eu não tinha possibilidade de atuar, que estava no banco porque tínhamos poucos jogadores".Emerson, que não joga como titular no Santiago Bernabéu desde o 0 a 0 com o Bétis, pela 27.ª rodada do Espanhol, não pensa em sair do Real Madrid no final da temporada."Eu tenho dois anos mais de contrato, então não posso pensar nisso. Tenho de trabalhar estes meses para fazer meu trabalho melhor. Não posso pensar em sair quando ainda temos chances de conquistar o Espanhol. São dois meses de sacrifício para superar as dificuldades", assegurou.O meia agradeceu as palavras de apoio de seus companheiros. "Eu sou muito sincero e eles sabem que poderei fazer mais pela equipe. Acho que quando um companheiro tem dificuldades, é normal os outros o apóiem. Isto significa que somos uma equipe", concluiu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.