Emerson se defende das críticas

Quando a fase não é das melhores, a solução é ter paciência. Dois dias depois da derrota para o Corinthians, na primeira partida das finais do Torneio Rio-São Paulo, o zagueiro Emerson ainda era o jogador que mais chamava a atenção no treinamento de hoje, no CT da Barra Funda. Acuado por jornalistas, fotógrafos e cinegrafistas, se esforçava para tentar explicar o que ocorreu no jogo de domingo. "Gente, eu não fiz tudo errado!" Sua principal queixa era a valorização dos pontos negativos. Seu principal alvo: a imprensa. Para Emerson, é injusto julgar a atuação, de quem quer que seja, por apenas um lance. "Pô, foram 90 minutos de jogo. Acontece que, para vocês, a equipe adversária nunca tem méritos quando vence o São Paulo", observou. "São sempre as mesmas pessoas falando. Eu sei que o negócio de vocês (jornalistas) é vender. O meu é jogar!" Num gesto instintivo de auto-defesa, Emerson tentou mostrar para todos que o cercavam sua exata noção da realidade, ou seja, da situação delicada na qual se encontra. Só para lembrar, eram fortes os comentários na segunda-feira de que ele não só seria sacado da equipe, como os dirigentes já teriam decidido devolvê-lo à Portuguesa. "Eu não acho que estou mal, nem penso em pedir para sair", afirmou. "Eu tenho 27 anos. Se me entregar agora, o São Paulo me manda embora." Daí, para admitir o erro, foi rápido. "Concordo que posso ter falhado, mas não dá para tirar o mérito de um jogador que faz uma jogada como aquela", disse sobre o drible da vaca que levou de Gil, que originou o terceiro gol corintiano. "Fiquei preocupado em não fazer a falta. Ele (Gil) foi rápido e conseguiu se dar bem no lance." Coincidência - Outro detalhe que pode ter contado para piorar ainda mais a situação do zagueiro são-paulino é o curto espaço de tempo entre o lance de Gil com o ?gol de placa? do meia Alex, do Palmeiras. "De fato foram muito próximos", concordou. "Porém, não acredito que isso seja motivo para ficar marcado. No caso do gol do Alex, tive de agüentar gozações de torcedores. Mas isso é normal!" O técnico Nelsinho Baptista não quis antecipar se vai fazer alguma mudança na zaga. No entanto, deixou no ar que se trata de uma alternativa. "Já tenho em mente o que vou fazer", afirmou. Belletti não esteve no treino de hoje. Em Cascavel, onde passou sua folga, seu vôo foi suspenso e o lateral só voltaria à noite.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.