Empate agrada técnico Geninho

O treinador Geninho disse que o empate por 2 a 2 contra o Paysandu foi resultado do melhor desempenho do Corinthians no segundo tempo, quando o time aproveitou as falhas de posicionamento do time paraense e soube igualar o marcador. "É muito difícil ganhar em Belém, porque a torcida exerce uma pressão muito grande contra os times de fora", justificou.Ele disse que as maiores falhas do time paulista ocorreram depois de ter levado o primeiro gol. O Corinthians começou a querer sair de qualquer maneira em busca do empate e quase permite ao adversário a ampliação do marcador. "A nossa zaga estava muito no mano a mano, o Paysandu enfiou quatro bolas na área e quase faz um estrago, mas felizmente eles não marcaram".O posicionamento de Fabinho, no segundo tempo, corrigiu a marcação, fazendo com que o meio-campo pudesse apoiar melhor o ataque. "O Paysandu teve mais chances de gol e maior adaptação ao clima, mas felizmente não soube aproveitar. O empate, para nós, acabou sendo um bom resultado".Geninho lembrou que neste campeonato tem ocorrido situações atípicas."No jogo contra o Figueirense nóas metemos cinco bolas na trave e perdemos o jogo", resumiu. Para Fabinho, o resultado acabou sendo favorável ao Corinthians, que jogou contra um bom time, o Paysandu, e também contra o calor do Pará. "Não temos do que reclamar".Enquanto os corintianos demonstravam satisfação com o empate, os jogadores do Paysandu reclamavam do juiz Carlos Eugênio Simon, afirmando que ele favoreceu o time paulista. "O penalti marcado em favor do Corinthians não existiu. Depois, no segundo tempo, houve um penalti claro no Magnum que ele não marcou", reclamaram os jogadores Sandro e Jorginho.Para o técnico Ivo Wortmann, o Paysandu deveria ter administrado a posse da bola depois de ter feito 2 a 1 aos 36 minutos do segunto tempo. "Houve muita afobação em querer marcar o terceiro gol. Isso acabou prejudicando o time, que ficou vulnerável nos contra-ataques. O Corinthians soube explorar isso com mais competência e empatou a partida".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.