Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Empate na estreia não diminui otimismo da torcida em evento com 12 mil em SP

Torcedores presentes no Vale do Anhangabaú mostram confiança na conquista do sonhado hexa

Isabela Palhares, O Estado de S.Paulo

17 Junho 2018 | 18h10

O empate da seleção brasileira na estreia da Copa do Mundo, contra a Suíça, neste domingo, não desanimou os torcedores em São Paulo. Apesar do resultado do primeiro jogo, quem estava em um evento no Vale do Anhangabaú vibrou até o fim da partida e muitos avaliaram que o desempenho da equipe foi bom. A organização calcula que 12 mil pessoas acompanharam o jogo no local.

+ Caçado, Neymar sente dores no pé operado, mas diz que 'está inteiro'

+ Jogadores do Brasil lamentam erros e reclamam da arbitragem após empate

+ Brasil não vence em estreia de Copa do Mundo pela primeira vez desde 1978

"O Brasil começou muito bem, eles estavam jogando muito melhor que a Suíça. Estou esperançosa que, nessa Copa, vamos muito melhor que na última", disse Márcia Rodrigues, de 65 anos. Há três edições da Copa, ela acompanha as partidas da seleção brasileira no Vale do Anhangabaú para sentir a "proximidade" com a competição.

Apesar da tensão após a Suíça marcar o gol, os torcedores continuaram acreditando que o Brasil conseguiria vencer a partida. "A equipe está muito entrosada. Não vencemos dessa vez, mas, se continuarmos jogando desse jeito, com certeza o hexa vem", disse a aposentada Natalina da Cruz, de 62 anos.

+ Tite vê falta clara em Miranda, mas não quer jogadores reclamando

+ 'Se tinha algum momento para tropeçar, era agora', diz Alisson após estreia

+ Willian pede seleção 'mentalmente forte' após empate na estreia contra a Suíça

Com o resultado da última Copa, muitos achavam que não iriam mais se empolgar com a seleção. No entanto, a estreia retomou o envolvimento. "Cheguei a dizer que não iria mais acompanhar e parar minha vida por causa de futebol, mas durante a Copa não tem jeito. Voltei a acreditar no nosso time, quero participar da festa também", contou o comerciante Luís Claudio Assis, de 44 anos.

 

CLIMA

Com shows antes e depois das partidas, o Vale do Anhangabaú reuniu neste domingo famílias, casais e grupos de amigos. Muitos usavam glitter, arranjos de cabelo e bandeiras. Para a esteticista Mara Baena, de 35 anos, torcer para a seleção é uma forma de aliviar a tensão vivida nos últimos meses com os problemas políticos e econômicos do País. "O país está com tantos problemas, nós temos que aproveitar os momentos de festa, momento de distrair e ser feliz. É a hora da gente ter orgulho do nosso Brasil, não só pelo futebol, mas pela festa bonita que a gente faz", diz.

A garçonete Simone de Sousa da Silva, de 35 anos, foi ao Vale do Anhangabaú acompanhar o primeiro jogo para "sentir a energia". "A gente só se empolga depois do primeiro jogo oficial. Não tem como não ficar animado com a Copa", diz. Ela estava com o filho Guilherme, de 11 anos, que não estava empolgado com o jogo. "Acho que ele vai aprender hoje como é boa essa competição, como é bom esse sentimento", diz a mãe.

A empolgação da torcida foi sentida pelos ambulantes que vendiam bandeiras, camisetas, vuvuzelas e faixas do Brasil. Carlos de Jesus Nascimento, de 51 anos, diz que só conseguiu vender neste sábado e domingo. "Comprei quando a Copa começou, mas durante a semana ninguém estava interessado em comprar. Foi no fim de semana que as pessoas animaram, mas é do brasileiro: deixamos tudo para a última hora", conta. As bandeiras pequenas eram vendidas a R$ 15 e as camisetas, a R$ 30.

Apesar da animação, o público no Vale do Anhangabaú foi a metade do que o espaço comporta. A organização foi feita para acomodar 25 mil pessoas e um telão de 100 metros quadrados foi instalado. Desde a Copa de 1990, o local tem transmissão dos jogos.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.