Empate não abala otimismo do São Caetano

Mesmo não tendo conseguido atingir seu objetivo inicial que era vencer em casa para jogar em vantagem na Argentina, o São Caetano não perdeu a confiança após o empate sem gols com o Boca Juniors, nesta quinta-feira à noite, no estádio Anacleto Campanella. O técnico Muricy Ramalho resumiu o duelo como "um jogo de xadrez", mas acredita que a situação pode se inverter em Buenos Aires, onde o time do ABC poderá jogar no erro do adversário. "Acho que lá, pela própria presença da torcida, eles terão que vir para cima. Se a nossa defesa repetir a grande atuação que teve, então teremos chance de encaixar o contra-ataque." Os jogadores, de forma geral, concordaram com o treinador. Para Fabrício Carvalho, os méritos são do adversário argentino. "Eles têm uma excelente marcação. Não tivemos espaço para nada." A grande surpresa da noite aconteceu nas arquibancadas, com a presença de 13.330 pagantes. O inesperado interesse da torcida pelo jogo surpreendeu até mesmo os mais otimistas dirigentes do São Caetano. Muita gente deixou para ir ao estádio na última hora e se deparou com filas para comprar ingressos e entrar no estádio. Os jogadores voltam aos treinos nesta sexta-feira à tarde. É que domingo no São Caetano receberá o Vasco pelo Campeonato Brasileiro. O campeão paulista buscará a reabilitação, porque na última rodada perdeu para o Figueirense, por 1 a 0, em Florianópolis. Mesmo assim, Muricy Ramalho já avisou que pretende poupar alguns jogadores para a "batalha final" na Argentina. Os argentinos comemoram o resultado, afinal de contas vão decidir a vaga em casa. "É uma partida de 180 minutos e conseguimos ir bem até agora", comentou o ríspido Carlos Bianchi, técnico do Boca Juniors.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.