JF Diório/AE
JF Diório/AE

Empate no clássico é muito comemorado pelos santistas

Autor do gol santista, Robson afirma que o resultado foi bom para o time ter calma para a sequência de jogos

Gabriel Navajas, Agencia Estado

28 de junho de 2009 | 21h57

Apesar do empate que deixa o Santos mais uma rodada sem vencer - o jejum já dura quatro partidas -, os jogadores gostaram do desempenho do time no 1 a 1 com o Palmeiras, neste domingo. Autor do gol, Robson, que entrou no intervalo, valorizou muito a igualdade. "É muito difícil jogar aqui no Parque Antártica. E o resultado foi bom para termos calma para a sequência de jogos", explicou o atacante.

Veja também:

linkPalmeiras e Santos empatam em 1 a 1 no Palestra Itália

especial Mercado: as transferências dos times

especial MASCOTES - Baixe o papel de parede do seu time

especial Visite o canal especial do Brasileirão

Brasileirão 2009 - lista Tabela / tabela Classificação

especial Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão

O centroavante Kléber Pereira enxergou evolução no time, mas pede mais. "Principalmente como fomos no segundo tempo. Foi um resultado bom. Pelo que fizemos no segundo tempo, estamos de parabéns", comemorou o centroavante.

Mas o artilheiro santista adverte. "Tivemos uma mudança muito grande do primeiro para o segundo tempo. O time foi outro. Mas isso é complicado. Temos de manter uma regularidade durante toda a partida. Sabemos que é difícil, mas a equipe tem de jogar sempre como fez no segundo tempo. O Mancini deu um puxão de orelha no intervalo e tocamos mais a bola."

O meia Madson valorizou o resultado obtido no Palestra Itália. "Conseguimos o gol de empate e vamos levá-lo com alegria, pois mostrou a dedicação do grupo. Após o Paulista, as equipes passaram a marcar melhor nosso ataque e estamos tendo pouco espaço", disse.

Para a partida contra o Sport, no próximo sábado, na Vila Belmiro, o técnico Vagner Mancini poderá contar com os retornos do zagueiro Fabiano Eller e do lateral-esquerdo Léo, que cumpriram suspensão neste domingo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.