Cristophe Ena/AP
Cristophe Ena/AP

Empate prova acerto de David Luiz no meio-campo do PSG

Brasileiro falha no lance do gol do Chelsea, mas se mostra à vontade como volante com lançamentos precisos e força física

JULIEN PRETOT, REUTERS

18 de fevereiro de 2015 | 11h19

A decisão do técnico do Paris Saint-Germain, Laurent Blanc, de colocar David Luiz em uma posição incomum no meio-campo se mostrou acertada na terça-feira, dia do empate de 1 a 1 com o Chelsea na partida de ida das oitavas de final da Liga dos Campeões.Foi quando o brasileiro voltou para a defesa que seu time se deu mal.

O PSG ficou atrás no placar aos 36 minutos, quando Branislav Ivanovic escapou da atenção de David e marcou para o Chelsea, mas Edinson Cavani empatou no segundo tempo, já que os anfitriões partiram para o ataque.

David tampouco teve dificuldade de se impor no jogo, mostrando-se fisicamente à altura de Cesc Fàbregas e Diego Costa, entre outros, e exibindo audácia ao mover a marca de uma cobrança de falta de Zlatan Ibrahimovic mais para a esquerda.

Ele também fez alguns passes longos e precisos de sua posição, e pareceu estar totalmente à vontade na partida contra sua ex-equipe.O PSG bateu o Chelsea por 3 a 1 em Paris nas quartas de final em abril passado, quando um dos gols foi contra e do próprio David Luiz.

Poucos meses depois, David deixou o Chelsea, indo para o time francês pela soma estarrecedora de 76,87 milhões de dólares, o que ajudou a custear as aquisições de Fàbregas e Costa.

Blanc, criticado com frequência por sua falta de noção tática quando a seleção francesa, e depois o PSG, enfrentou um surto de contusões antes do jogo, resolveu mexer nas cartas.

Com os titulares do meio-campo Thiago Motta e Yohan Cabaye contundidos, Blanc decidiu escalar David em vez do menos experiente Adrien Rabiot, e Marquinhos fez dupla com o também brasileiro Thiago Silva no centro da defesa.

David Luiz jogou de maneira conservadora no primeiro tempo, perto da defesa central, e depois do intervalo levou a bola para a frente. Mas ele pode não ter a chance de brilhar nessa posição na partida de volta, já que Cabaye pode estar recuperado de uma lesão no pé para a viagem ao campo do adversário, onde o PSG acredita que terá oportunidades. 

“Ainda temos 50 por cento de chance de progredir, especialmente se jogarmos como fizemos hoje (terça-feira)”, opinou Thiago Silva.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.