Cesar Greco/Ag. Palmeiras
Cesar Greco/Ag. Palmeiras

Empates nos acréscimos minam campanha do Palmeiras no Brasileiro e preocupam Luxemburgo

Apesar de invicto, time alviverde repete sina de levar gols nos minutos finais e de não conseguir colar nos líderes

Ciro Campos, O Estado de S.Paulo

21 de setembro de 2020 | 05h00

Uma dura rotina tem atrapalhado o Palmeiras neste início de Campeonato Brasileiro. Neste domingo, em Porto Alegre, mais uma vez o time sofreu o empate no fim do jogo, ao ficar apenas no 1 a 1 diante do Grêmio. O resultado faz com que a equipe paulista se mantenha como única invicta na competição, mas com um grande incômodo. Se não fosse a sina de levar gols nos acréscimos, o Palmeiras poderia estar na primeira colocação.

Em dez jogos disputados, o atual campeão paulista tem quatro vitórias e um número elevado de empates: são seis. Na Arena do Grêmio a equipe abriu o placar com Raphael Veiga, aos 25 minutos do segundo tempo, e sofreu o gol do gremista Ferreira já aos 46, em jogada de escanteio. A partida foi fraca, com poucos lances de perigo entre dois times sem criatividade.

O roteiro de sair na frente e permitir o adversário igualar nas últimas investidas foi o mesmo para o Palmeiras há cerca de um mês. Contra o Bahia, em Salvador, a equipe também amargou o placar de 1 a 1 ao levar um gol ainda mais tarde. Aos 50 minutos da etapa final, quando Weverton saiu mal do gol e Marco Antônio completou para as redes. Ou seja, diante desses dois tricolores a equipe alviverde deixou escapar quatro pontos. Em vez de ter os 18 pontos atuais, seriam 22, número suficiente para valer a liderança. 

Os vacilos incomodam demais o técnico Vanderlei Luxemburgo. "Foram dois jogos em que deixamos os adversários empatarem no fim. Isso incomoda todo mundo. Estamos perdendo as vantagens que poderíamos alcançar (na classificação do Brasileiro) por causa de gols sofridos no fim de jogo", comentou.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Foram dois jogos em que deixamos os adversários empatarem no fim. Isso incomoda todo mundo. Estamos perdendo as vantagens que poderíamos alcançar (na classificação) por causa de gols sofridos no fim de jogo
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Vanderlei Luxemburgo, Técnico do Palmeiras

Em outros compromissos do Palmeiras, os empates foram tão frustrantes quanto o deste domingo. Por três vezes a equipe teve a vantagem e deixou escapar a vitória. Na rodada anterior, no Allianz Parque, ficou no 2 a 2 com Sport após levar um gol no segundo tempo. Também dentro de casa, o Palmeiras não se aproveitou de um Goiás com 15 desfalques e não passou do placar de 1 a 1. Isso ocorreu no mês passado. O mesmo resultado veio na estreia, diante do Fluminense, no Rio. O curioso é que até agora, das quatro vitórias conquistadas somente uma foi como mandante: no clássico com o Santos, que foi disputado no Morumbi.

O Palmeiras, por pouco, evitou o empate na Arena do Grêmio pelo que fez no segundo tempo. A primeira metade do jogo na verdade foi de poucas emoções. O time visitante não chutou sequer a gol e teve como maior susto uma defesa de Weverton após cobrança de falta de Lucas Silva. Luxemburgo avançou a equipe na segunda etapa ao colocar os velozes Wesley e Gabriel Veron, além de apostar em Luiz Adriano como referência na área. Pelas pontas, o gol saiu. Viña e Wesley fizeram boa jogada pela esquerda e o lateral uruguaio passou para Raphael Veiga fazer um belo gol.  

Logo depois, o Palmeiras procurou controlar a vantagem. No fim, até colocou um zagueiro a mais (Vitor Hugo) para reforçar a marcação. O gol veio justamente em um escanteio em que o atacante Ferreira conseguiu se antecipar à defesa para desviar.

"No futebol, sempre alguém sai lamentando e hoje fomos nós", disse Luxemburgo. O treinador descarta que a repetição de gols de empate sofrido nos minutos finais seja sinônimo de relaxamento.

"A nossa estratégia de jogo foi bem feita no sentido de os jogadores terem entendido a proposta do Grêmio. Gols acontecem, não é uma questão de falta de atenção nossa. Faltou a gente segurar mais a bola no ataque com a vantagem e ganhar um pouco mais de tempo", comentou.

Curiosamente, o Palmeiras só tem menos empates no Brasileiro do que o Grêmio. A equipe gaúcha soma sete. Dentro da competição nacional, a repetição de igualdades tem feito a equipe alviverde perder posições. Como o primeiro critério de desempate é o número de vitórias, o time fica em desvantagem diante dos concorrentes diretos. O Palmeiras tem seis.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.