Alex Ramos/CBF
Alex Ramos/CBF

Empolgada com novo ciclo da seleção feminina, Pia Sundhage elogia Austrália: 'Ótimo adversário'

Treinadora comemora possibilidade de enfrentar adversário forte nos primeiros passos da equipe após a Olimpíada de Tóquio e destaca necessidade de ter estreantes no time

Redação, Estadão Conteúdo

06 de outubro de 2021 | 08h57

A seleção brasileira feminina está convocada para mais uma janela de Data Fifa. Na terça-feira, a técnica sueca Pia Sundhage anunciou a lista das 23 jogadoras que enfrentarão a Austrália em dois jogos preparatórios no final deste mês. Ansiosa com os primeiros passos do novo ciclo, após a disputa dos Jogos Olímpicos de Tóquio-2020, a treinadora do Brasil elogiou o nível do desafio que suas comandadas terão pela frente diante das rivais.

Pia Sundhage destacou a oportunidade de encarar uma das anfitriãs do Mundial de 2023 em solo australiano. De acordo com a técnica da seleção, este tipo de experiência é crucial para que sua equipe possa amadurecer cada vez mais.

"Temos que ser realistas. Na Austrália nós vamos enfrentar jogadoras que atacam, vão para cima e vão usar jogadas de um para um. A gente tem que estar preparado para lidar com essas jogadoras difíceis. Por isso que mudamos um pouco, com jogadoras diferentes. Com a Austrália será bem diferente, é uma viagem longa, temos que ter bastante cuidado, sobretudo no primeiro jogo, por conta do fuso horário", declarou, antes de tecer elogios ao time australiano.

"No fim das contas, se formos um time coeso e compacto, tanto na defesa quanto no ataque, vai ser uma ótima oportunidade de ver o quão boas nós somos. Certamente vamos defender mais contra a Austrália, um dos melhores times do mundo. Ter a oportunidade de jogar com a Austrália é excelente, porque é um ótimo adversário. Isso vai tornar a Seleção cada vez mais forte mentalmente, e também na forma de jogar", completou.

A convocação para os compromissos contra a Austrália conta com uma estreante: a goleira Karen, do Minas Brasília-DF. Além dela, a lista também conta com diversas caras novas que realizaram seus debutes nos últimos jogos diante da Argentina, em setembro. Pensando na renovação, Pia Sundhage exaltou o papel das novas jogadoras e projetou um ciclo proveitoso.

"É ótimo termos novas jogadoras, é necessário. Muitas coisas acontecem quando você muda a atmosfera e a dinâmica de um grupo. As jogadoras mais jovens têm essa chance. Se você joga bem, treina muito, é corajosa, talvez você tenha a chance de jogar na seleção, o mundo se abre para você. Precisamos de novas perspectivas, encontrar novas jogadoras para construir um time novo e mais coeso", explicou. "Estou super empolgada com esse novo ciclo e para o que vai acontecer esse ano e também ano que vem. É importante jogar partidas", concluiu.

Fora de campo, Austrália vive escândalo

Diante do Brasil, será a primeira vez que a seleção australiana vai a campo após as acusações de assédio sexual feitas por ex-jogadoras. A atacante Lisa De Vanna, que atuou 150 vezes pela seleção antes de se aposentar no mês passado, relatou que no início de sua carreira foi submetida a comportamentos inadequados, o que levou a Federação Australiana de Futebol a anunciar que vai investigar o caso. 

A entidade segue o exemplo de outros esportes do país, como ginástica e hóquei, em que já foram investigados eventos que revelaram uma cultura tóxica e abuso de mulheres.  A Federação de Natação também admitiu, após outra investigação, "comportamento inaceitável" sofrido por nadadores durante décadas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.