Ruben Sprich/Reuters
Ruben Sprich/Reuters

Empresa alemã investiga denúncias de propina na Copa

Bilfinger investiga empregados de uma subsidiária sobre propina

Reuters

22 Março 2015 | 13h16

A empresa alemã de engenharia e serviços Bilfinger está investigando se empregados de uma subsidiária pagaram propina a funcionários públicos no Brasil em conexão com pedidos relacionados à Copa do Mundo. A Bilfinger informou em comunicado, neste domingo, que começou uma investigação no ano passado sobre contratos de cerca de 6 milhões de euros (6,5 milhões de dólares) para equipar centros de controles de segurança em diversas cidades grandes brasileiras.

A empresa contratou os auditores da Ernst & Young, da Deloitte e de uma empresa de advocacia brasileira para ajudar a esclarecer se propinas foram pagas por empregados da afiliada Mauell a funcionários públicos e membros de companhias estatais. "As suspeitas estão substanciadas. A investigação, no entanto, ainda não está completa", disse Bilfinger, acrescentando que acionaria a Justiça se essas alegações forem confirmadas.

A Bilfinger disse que pedidos desse tamanho não são feitos pelo conselho-executivo do grupo. Um porta-voz disse que a Mauell não fez negócios com a Fifa, a entidade que organiza o esporte. A empresa emitiu esse comunicado depois que o jornal alemão Bild am Sonntag publicou que a Mauell havia pago propinas superiores a 20 milhões de euros para obter os contratos. O porta-voz não quis comentar essa cifra.

Mais conteúdo sobre:
copa do mundo futebol internacional Fifa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.