Pau BARRENA / AFP
Pau BARRENA / AFP

Empresa de Piqué é acusada de receber R$ 120 milhões para levar Supercopa espanhola à Arábia Saudita

Kosmos, que é presidida pelo zagueiro do Barcelona, teria auxiliado a negociar a ida da competição no Oriente Médio, com o aval da federação de futebol da Espanha

Redação, O Estado de S.Paulo

18 de abril de 2022 | 13h57

A manhã desta segunda-feira iniciou agitada no futebol espanhol. Segundo o jornal "El Confidencial", a Federação Espanhola de Futebol (REEF, na sigla em espanhol) teria negociado uma comissão de 24 milhões de euros (cerca de 120 milhões de reais) para a Kosmos, empresa de eventos esportivos comandada por Gerard Piqué, zagueiro do Barcelona, para organizar e levar a Supercopa da Espanha à Arábia Saudita.

Segundo documentos colhidos pela reportagem, que incluem troca de mensagens entre o jogador e Luis Rubiales, presidente da entidade, a REEF recebeu 40 milhões de euros (200 milhões de reais) por cada edição da Supercopa organizada no Oriente Médio. Já a Kosmos teria direito a 4 milhões de euros por temporada. 

"A série de arquivos revelam, entre outros escândalos, que Piqué teve um papel decisivo nas negociações para a realização da Supercopa na Arábia Saudita e teve ao longo desse processo um tratamento privilegiado por parte de Rubiales por motivos não esclarecidos", afirmou o El Confidencial.

Até o momento, três edições foram disputadas na Arábia Saudita - em 2020, 2021 e 2022 - com duas conquistas do Real Madrid e uma do Athletic Bilbao. Antes da primeira temporada, Rubiales confirmou que a Kosmos havia participado das negociações, porém afirmou que a REEF não fez nenhum pagamento diretamente à empresa de Piqué.

Em sua defesa, a REEF afirmou que "as informações não trazem nada de novo ao que foi publicado em 2019. Todos os números da operação foram apresentados, explicados e respaldados pela Assembleia do Futebol". Caso o pagamento direto à Kosmos seja confirmado, isso infringirá o código de ética da Federação.

"Faz parte de uma campanha de perseguição e descrédito que já estamos acostumados", explicou um dirigente da federação, citado pelo jornal espanhol Marca. Na última quinta-feira, a entidade já havia comunicado que foi vítima de uma "ação criminal organizada e dirigida à posterior revelação de segredos mediante à distribuição de documentação confidencial com uma clara intenção espúria", além de afirmar que as conversas haviam sido "subtraídas" e tiradas do contexto completo.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.