Gene J. Puskar/AP
Gene J. Puskar/AP

Empresa se desculpa por oferecer prêmio a russas que engravidassem de jogadores

Campanha do Burger King prometia R$ 180 mil e um suprimento vitalício de hambúrgueres a grávidas 'vencedoras' da promoção

O Estado de S.Paulo

20 Junho 2018 | 19h42

O braço russo da rede de lanchonetes Burger King se desculpou por ter veiculado uma promoção polêmica. A empresa oferecia cerca de R$ 180 mil e um suprimento vitalício de hambúrgueres para mulheres russas que engravidassem de jogadores de futebol participantes da Copa. A oferta, divulgada em uma rede social do país, recebeu uma avalanche de críticas e foi considerada sexista e degradante.

+ Itamaraty não pode interferir em possível inquérito contra brasileiros na Rússia

+ Por assédio, autoridades russas avaliam abrir inquérito contra brasileiros

+ Empresa demite funcionário que constrangeu mulheres na Rússia durante a Copa

O anúncio acabou retirado das redes sociais do Burger King na Rússia na terça-feira, 19, mas ainda circulava entre internautas do país. A ideia da promoção era “recompensar as mulheres” que conseguissem “os melhores genes do futebol” e, assim, garantiriam o êxito da seleção russa nos próximos anos. 

A empresa difundiu um comunicado na mesma rede social para se desculpar. “Oferecemos nossas desculpas pelo anúncio que fizemos, foi demasiado ofensivo”, disse. A rede de fast-food não respondeu aos pedidos de entrevista da agência de notícias Associated Press (AP).

Na Rússia, é comum que anúncios publicitários se valham de estereótipos sexistas, principalmente quando se trata de eventos esportivos. Organizações feministas vêm se pronunciando com veemência cada vez mais contra esse tipo de campanha.

 

Segundo o jornal inglês The Guardian, não é a primeira vez que o Burger King Rússia se envolve em campanhas polêmicas. No ano passado, a empresa usou a imagem de uma adolescentes vítima de estupro, que se tornou conhecida no país, para uma promoção do tipo “pague um leve dois”. 

De acordo com a rede BBC, esse tipo de protesto é algo novo no país, que relaciona qualquer debate de gênero com “influência ocidental” para minar os costumes russos. /COM AP

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.