Taba Benedicto / Estadão
Taba Benedicto / Estadão

Empresário assume como presidente e quer reerguer o São Caetano com gestão profissional

Manoel Sabino entrou no clube do ABC paulista em maio deste ano com uma dívida de R$ 70 milhões

Marcius Azevedo, O Estado de S.Paulo

12 de setembro de 2021 | 05h00

Rebaixado no Paulistão, sem divisão no Campeonato Brasileiro e com uma dívida de R$ 70 milhões. Após figurar na elite do futebol nacional no início da década de 2000, o São Caetano aposta em uma gestão profissional para sair do buraco. O empresário Manoel Sabino resolveu enfrentar o cenário catastrófico e, em maio deste ano, assumiu como o presidente do São Caetano Futebol Ltda., no modelo de administração de clube-empresa. “Vimos que dava tempo de salvar”, justificou.

Sem ligação com o futebol, o primeiro passo do presidente foi entender o mecanismo na bola que já afundou tantos clubes no Brasil. “Você entende porque chega em um ponto como este”, explicou. 

Na sequência, Sabino atacou ações trabalhistas e débitos tributários. Logo depois tratou das demandas dos funcionários e dos jogadores, que sofreram com diversos atrasos de salário em um passado recente. “Conseguimos organizar, fazer alguns acordos.”

Em relação ao elenco, o presidente definiu um teto salarial para diminuir o valor da folha salarial. Atualmente, segundo ele, o maior vencimento não supera R$ 2,5 mil mensais. “Temos de investir na formação na base, não contratar uma estrela que não podemos pagar”, disse.

Sabino também negociou com o prefeito de São Caetano, Tite Campanella, para reformar e utilizar quatro campos de futebol na cidade para os treinos das categorias de base, além da equipe feminina, que ele pretende reativar.

Outra preocupação da nova administração foi separar fisicamente o São Caetano Futebol Ltda. da AD São Caetano, o clube social. O empresário alugou um prédio próximo do estádio Anacleto Campanella para servir como quartel-general. 

O plano é recolocar o clube do ABC em destaque no mapa do futebol brasileiro novamente em cinco anos. O primeiro desafio é na Copa Paulista, que começa nesta terça-feira e dá ao campeão uma vaga na Série D do Brasileirão.

Sabino pretende fazer uso os benéficos da lei do clube-empresa, que foi sancionada em agosto pelo presidente Jair Bolsonaro, em um modelo que ainda assusta aos presidentes de clubes. “Você é o responsável pela empresa. Não existe o daqui para frente, você assume todo o passivo dela. Não tem para onde fugir”, explicou.

Tudo o que sabemos sobre:
São Caetano Esporte Clubefutebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.