David Klein / Reuters
David Klein / Reuters

Empresário de Pogba insinua saída de jogador do Manchester United

Mino Raiola responde críticas de Paul Scholes ao atleta através do Twitter

Estadão Conteúdo

21 Agosto 2018 | 11h04

O empresário de Paul Pogba, Mino Raiola, aumentou os boatos de que o atleta pode estar de saída do Manchester United. O agente insinuou que o meiocampista, campeão da Copa do Mundo com a França, não teria problemas para encontrar outra equipe se deixasse o time inglês ao responder Paul Scholes, ídolo histórico do maior campeão inglês.

Scholes havia criticado a atuação de Pogba na derrota do Manchester United para o Brighton and Hove Albion por 3 a 2 no último sábado. Raiola, então, o ironizou no twitter. "Algumas pessoas precisam falar por terem medo de serem esquecidas. Paul Scholes não reconheceria um líder mesmo se estivesse na frente de Winston Churchill", publicou, se referindo ao primeiro-ministro do Reino Unido durante a Segunda Guerra Mundial.

Em seguida, o agente foi ainda mais direto contra o ex-jogador, mencionando seu cliente. "Paul Scholes deveria virar diretor de esportes e aconselhar Woodward a vender Pogba. Seriam noite sem sono tentando encontrar um novo time para Pogba", escreveu com sarcasmo. Ed Woodward é o diretor-executivo do Manchester United.

Na imprensa inglesa, circula o boato de que Pogba estaria insatisfeito com José Mourinho e gostaria de deixar o Manchester United e para se juntar ao Barcelona. A janela inglesa para contratações já está fechada, mas ainda podem ocorrer saídas para outros países europeus.

Mino Raiola é conhecido por forçar transferências dos atletas que agencia para ter lucros, alimentando boatos na imprensa e muitas vezes entrando em conflito com os clubes onde jogam. Pouco antes da temporada 2017-18, se envolveu em polêmica pela renovação do goleiro Donnarumma com o Milan. Outros atletas, como Marek Hamsik e Pavel Nedved, deixaram de trabalhar com Raiola por não concordar com a forma que o agente conduz os negócios.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.